5 às 5as – Autores proibidos
por Patricia
em 18/07/13

5

A lista de hoje faz referência a um assunto delicado: a censura de livros. Algo que hoje não vemos tanto mas que no auge do poder da Igreja e durante regimes ditatoriais, era coisa comum. O Poderoso traz hoje cinco autores que já tiveram seus livros proibidos e que valem a pena serem lidos mesmo sob o intenso risco de ser preso porque são totalmente fenomenais e podem agregar muito mais do que você pode imaginar. A maioria, como vocês podem ver, são filósofos. E claro, filósofos são assustadores para regimes desse tipo porque induzir o povo a pensar é algo muito, muito sério. Alguns foram proibidos há muito tempo atrás, outros nem tanto.

1014423_359607370835338_1298396575_n

A lista completa de autores que já tiveram seus livros proibidos você encontra aqui. Citamos 5 mas, com certeza, você não perde nada lendo uma obra de todos eles. 😉

1 – Dante Alighieri: autor do sensacional A divida comédia, Dante escreveu um épico que trata de tanta coisa diferente que se você ler quinze vezes, talvez tire quinze coisas diferentes da história. Com teor filosófico para dar e vender, A Divina Comédia é dividida em 3 partes: Inferno, Purgatório e Paraíso. O livro todo tem uma ligação muito forte com o número 3 que simboliza a Santa Trindade num embate intenso entre fé e razão. Obra prima do tipo que não deve aparecer parecida por muito tempo.

2 – Voltaire: Voltaire era pró liberdade. Todas elas. Muito do que ele escreveu tinha relação com a liberdade do ser humano e seus direitos. Suas obras tiveram forte impacto no iluminismo e seus ideais foram reproduzidos em muitas revoluções pelo mundo. Utilizando -se de sátira, em sua obra fantástica Cândido, ele basicamente tira sarro de romances, da religião, do exército e tudo o que ele considera que fecha a mentalidade do homem em si mesma fazendo com que ele não consiga pensar por si mesmo. Brilhante é pouco.

3 – Vladimir Nabokov: Um de meus autores preferidos teve seu Lolita censurado. Claro, o livro trata de um caso explícito e romanceado de abuso de menor. Contado de maneira magistral, Nabokov mostrava muito da hipocrisia de uma sociedade que chegou a acreditar que era uma história de amor. Mas mais profundamente, Nabokov apresenta como uma mente perturbada pode acreditar no que diz quase convencendo de sua inocência.

4 – Maquiavel: Um cientistas político como poucos no sentido de que ele assumia a análise do Estado como ele era de fato – feio, quebrado, injusto e, muitas vezes, cruel. Diziam que era republicano e, com certeza, era nacionalista. Sua obra mais conhecida, O princípe, foi escrita para estimular os Médici a unificar a Itália utilizando-se de uma estrutura muito familiar para os estadistas hoje – exército próprio, liberdade individual e governo forte.

5 – Simone De Beauvoir: uma das poucas mulheres da lista, Simone era feministas quase antes do movimento existir. Defendia a liberdade e explorava questões existencialistas como poucos. Sua obra O segundo sexo analisa a mulher na sociedade e o papel que nos foi imposto. Simone escreve com o que parece ser a alma aberta. Seus livros podem ser um pouco prolixos mas ela fala o que poucas (e poucOs) tinham coragem na época.

Postado em: 5 às 5ªs

1 Comentário em “5 às 5as – Autores proibidos”


Avatar
Luiz Carlos Dias Pinto em 09.08.2014 às 21:25 Responder

Dias muito difíceis estes. Passei a infância sem perceber o que realmente acontecia nos anos 70 Brasil a fora, quando tinha meus 4 a 13 anos idade. Muita represália, nua e crua. Mas se repararmos nos dias de hoje, fica quase imperceptível que também isto acontece, mais sutilmente, através da mídia televisiva que impõe o que você deve pensar e aceitar, “não é o caso do beijo gay hoje?” A mídia literária e a tv praticamente expõem diante de você que isto deve ser aceito naturalmente não interessando costumes, credos ou seitas. A família? Ah, ah … é um detalhe. Ainda estamos vivenciando, porém mais difícil de perceber.
Obrigado.
Luiz Carlos


 

Comentar