Semana De Cinema – A Teoria De Tudo
por Ragner
em 27/01/15

Nota:

l_2980516_b0bc77cc

 

Lindo! Um filme lindo, mas que pelo nome e pelo protagonista em si, poderia ter sido muito melhor, ter ido além. A Teoria de tudo não é um filme sobre um físico, suas descobertas e ideias, mas sim sobre sua vida ao lado da mulher que o ajudou a se tornar o que é.

Particularmente assisti ao filme muito interessado no que poderia ser descoberto em relação ao genial Stephen Hawking e todo seu conhecimento. O que eu descobri foi muito bom, adorei, mas esteve muito mais relacionado a como o ator (Eddie Redmayne que merece muito o Oscar) foi surpreendentemente fantástico e perfeito na interpretação e como a vida de Stephen era, também, genial fora de concepções físicas ou cosmológicas.

Fiquei impressionado com o a história de amor entre ele e Jane, primeira esposa, com quem teve 3 filhos e como os dois eram cúmplices e amigos (amigos até hoje, como é divulgado no final). Os dois se conhecem na faculdade, ela como estudante de língua espanhola e ele já como grande físico. O envolvimento é mostrado sem muita firula, sem muita história de romance e pouco depois já temos os dois casados. Vamos acompanhando ao relacionamento e aqui tudo é focado mais nele, como ele vai sofrendo os efeitos da ELA, descobrindo e divulgando seu entendimento sobre o cosmos, início do universo e os buracos negros. Sobre a Jane, podemos compreender o quanto ela luta para ajuda-lo e como foi companheira em tudo que ele precisava e queria.

 

A-Teoria-de-Tudo-fotos-3

 

Há sim algumas partes sobre a cosmologia e o que tornou Hawking mundialmente famoso. Percorremos durante algumas cenas, poucas explanações do físico sobre questões como Big Bang e até o Big Crunch (que não é denominado assim no filme), buracos negros e limites do universo, mas é mesmo pouco, tudo muito importante, mas pouco. E tudo aqui é bem costurado com a vida do casal, com os três filhos e o agravamento da doença.

Ainda sobre o lado da física no filme, durante os anos retratados, é bem evidenciado o que caracteriza bem a genialidade do cientista, pela concepção dos livros escritos, as ideias questionadas e debatidas, a crença na não existência e Deus e depois uma possível existência, mesmo que de quase coadjuvante. Há uma boa discussão sobre a teoria da relatividade e a física quântica e o que é fundamental em todo o questionamento de Hawking, o Tempo. O tempo é observado não apenas como uma dimensão, mas como o que pode comprovar a Teoria de tudo, no que discute a pesquisa científica e humana, muito bem retratada na história de vida de Jane e Hawking.

 

Postado em: Semana de Cinema
Tags:

Nenhum comentário em “Semana De Cinema – A Teoria De Tudo”


 

Comentar