Semana de Cinema – O grande Gatsby (2013)
por Patricia
em 24/07/13

Nota:

images

O grande Gatsby é um dos meus livros preferidos e, como achei a versão de 1974 com Redford, insonssa, não estava preparada a arriscar de novo. Mas confesso que o trailer estilizado da versão de Baz Luhrmann me intrigou. O trabalho de Baz em Romeu + Julieta e Moulin Rouge trouxeram um mundo antigo para o atual de uma maneira muito razoável. São dois filmes que realmente gosto e, por isso, dei um crédito e fui assistir a sua versão desse clássico.

Vamos lá…a história é narrada por Nick Carraway. O ano é 1922 e os Estados Unidos vivem uma época de bonança. As festas são enormes e correm soltas regadas a jazz, bebidas e dinheiro. Gatsby é um magnata que dá as maiores festas totalmente abertas a quem quiser participar. Ninguém precisa ser convidado…é só aparecer. Nick aparece um dia e fica impressionado com a forma como Gatsby proporciona essas festas mas não participa delas. Aliás, poucas pessoas ali parecem conhecê-lo pessoalmente e só se sabe histórias soltas sobre quem ele é e o que ele faz. Um mistério.

gatsby9

Nick, que tem uma veia de escritor, fica intrigado. Mas não por muito tempo. Ele descobre que Gatsby tem um interesse oculto em toda essa festança: encontrar Daisy que, supresa, é prima de Nick. Daisy é casada com um milionário que não faz muita coisa da vida. O livro deixa claro que muitos ricos fazem quase nada e que, por serem ricos, também respondem a poucas perguntas. Aliás, ninguém questiona como Gatsby consegue dar essas festas tão grandes e recheadas de bebida no começo da Lei Seca no país. Hum…

Claramente, ele tem contatos ilegais. Claramente, ele faz coisas ilegais para conseguir a bebida. Mas ninguém o questiona, niguém se importa porque todos estão convidados para sua festa. Ah, os privilégios da riqueza.

Mas acima de tudo, Gatsby quer uma única coisa: ficar com Daisy. Ele pede que Nick o ajude a marcar um encontro secreto com ela. Veja, Daisy e Gatsby se conheceram e tiveram um caso muitos anos antes. Só que ele foi para a guerra como um soldado pobre e apareceu milionário. E ela seguiu o curso normal de uma moça “respeitável” na época e casou-se com um homem que sempre foi milionário. Gatsby sempre acreditou que sua vida tinha um caminho só que o levaria de volta para Daisy.

images

Agora, fãs de Crepúsculo, vamos deixar algo claro: apaixonado e obsessivo não são, necessariamente, sinônimos. Aliás, podemos até argumentar se obsessão consiste mesmo em amor. No caso de Gatsby, sua obsessão com Daisy era uma forma de mascarar a necessidade intensa que ele sentia de ser aceito e visto como respeitável – afinal, ele era um novo rico e novos ricos são quase pobres para os velhos ricos. Ele acreditava que só poderia ser feliz se conseguisse cumprir tudo o que sempre quis e, nesse momento, a única coisa que falta é ficar com Daisy. Então será que era amor mesmo? Questionável.

E temos do outro lado uma mulher típica da época: interessada numa vida na alta sociedade e disposta a tudo para satisfazer suas próprias idéias de grandeza. Daisy é horrível como pessoa, mas aparenta ser alguém totalmente diferente. Ela não está no livro para gostarmos dela. Ela é superficial e vazia. Quando alguém não representa mais o que ela deseja, ela o abandona completamente.

E voltamos ao filme: o visual é impecável. Não tem nem o que comentar….filmado em 3D, o filme é de tirar o fôlego. DiCaprio é um bom Gatsby – temos que lembrar que esse é um homem que deve ser charmoso e incrivelmente bonito e…bom, DiCaprio assume bem esse papel que parece tão natural para ele (;)). Carey Muligan é uma boa Daisy também – fútil, solta, impressionável. E bonita de cara lavada. Atuações sólidas por todos os lados.

A trilha sonora, como em qualquer filme de Baz é atual e traz sim o tom do jazz ainda que de maneira mais indireta. Mas tudo combinou muito bem com a grandeza das cenas.

Acho que essa é melhor que a versão de 1974 por ser mais consistente com o nível que eu vejo para essa história e esse livro tão fantástico. Assisti com uma pessoa que não tinha lido o livro e foi divertido ver a reação dela a algumas cenas. Mas acho que você pode se divertir vendo esse filme tanto antes quanto depois de ler o livro. 😉

Postado em: Semana de Cinema
Tags:

Nenhum comentário em “Semana de Cinema – O grande Gatsby (2013)”


 

Comentar