Semana de Cinema – Transformers – O último cavaleiro
por Thiago
em 24/07/17

Nota:

 

Estava muito curioso pra ver esse filme, por conta do trailer e por ter Hopkins, um dos meus atores preferidos, junto com algo medieval que parecia bem interessante. Transformers eram um brinquedo da minha infância, quando teve o primeiro filme achei muito legal, aquela sensação nostálgica gostosa, mas este é o filme de número 5. Além disso é o filme mais caro da franquia, algo em torno de U$260.000.000.

Vou começar a falar do filme pelo lado positivo, que são dois, em primeiro ter sido feito para tecnologia IMAX, assim sendo, muito bonito. Junto a isso temos um bom 3d. E é só. Por conta disso vai minha única estrela.

Não espero que o quinto filme da franquia seja genial, nem que este estilo blockbuster de ação tenha um grande enredo. Michael Bay, o diretor da franquia, tem bons filmes na carreira, Pearl Harbor é um bom exemplo, além da boa franquia de ação Bad boys. Gosto muito de filmes de ação despretensiosos, muitas vezes quero algo que me distraia, sem que eu tenha que pensar muito durante e, principalmente, depois da apresentação, mas aqui não deu, só consegui me irritar.

 

 

Vou tentar explicar os pontos do meu incomodo. Primeiro preciso dizer que todo filme, livro, peça de teatro ou série que vejo/leio o faço com a esperança de ser bom, ao menos dentro da proposta apresentada. Este filme começa com uma introdução que alimentou minha esperança, trazendo um prólogo que tenta mostrar o início da relação dos transformers com a Terra e os humanos, nos levando a uma época medieval do Rei Arthur, Merlin e um cajado. Preste bem atenção neste cajado, ele é a coisa mais importante de todo o universo dos Transformers, e só agora no QUINTO filme aparece, juntamente com os problemas do filme.

O primeiro problema é que aqui fica claro o quanto os cinco filmes da série não dialogam entre si, não há coerência entre eles. Por falar em coerência, vamos ao segundo problema, não há lógica no roteiro, é uma história sem pé nem cabeça, as gags e as explosões são maiores que a história. O outro problema é a continuidade de cenas, pois as vezes simplesmente não acontece e você fica com a nítida sensação que havia algo entre o momento A e o momento B. Para entenderem melhor este problema imagine que alguém muito, mas muito bêbado esta te contando uma história.

Vamos ao próximo problema, que está ligado aos últimos, as cenas são cortadas toda hora, do nada. Cenas curtas uma atrás da outra, tomadas estranhas, personagens que aparecem, são apresentados e desaparecem. Assim as tomadas não fazem sentido, os personagens apresentados não fazem sentido, e em meio disso os erros de continuidade são infinitos.

Agora vamos aos dois últimos pontos, um deles é: o que o Anthony Hopkins está fazendo neste filme? Será que pagando uma aposta? Está devendo um agiota? Perdeu muito dinheiro em Vegas e precisa recuperar? Talvez pagando uma promessa? Sem mais considerações sobre a participação de um dos meus atores preferidos nisto.

 

 

Agora o último e mais sério ponto, o valor. É necessário repensarmos as cifras absurdas destes filmes, o filme mais caro de uma série cara pode ter tantos problemas assim? Entenda, o filme não é ruim por simplesmente ser chato e arrastado, mas por erros primários. Um filme deste calibre é um entretenimento, mas principalmente um investimento, um negócio que prevê lucro. Será que é possível lucrar com algo assim? Será que os espectadores aceitam qualquer coisa, mas qualquer coisa mesmo?

 

 

Entretanto, vejam o filme e tirem suas próprias conclusões. Para isso, nós do Poderoso em parceria com o fofo casal do canal do youtube “Um tanto quanto nerd” vamos sortear pra vocês 4 ingressos pro filme. Durante a semana em nossas redes sociais daremos mais informações.

 

“Bom”filme a todos.

Obs: não coloquei sinopse pois o filme não tem história, então não precisa né?

 

 

 

Postado em: Semana de Cinema
Tags:

Nenhum comentário em “Semana de Cinema – Transformers – O último cavaleiro”


 

Comentar