Resenha – Alta Tensão
por Ragner
em 15/08/12

Nota:

Harlan Colen é um escritor mundialmente famoso, possui uma coleção direcionada ao seu personagem mais conhecido, Myron Bolitar. Mas digo a vocês, assumindo, que esse é o primeiro livro que leio do escritor e sobre seu personagem. O primeiro contato foi espetacular, de cara já me apaixonei pela narrativa e fiquei mega fã do protagonista, um camarada inteligente, sagaz, racional e mesmo assim consciente de sua passionalidade, que trabalha muito bem seus temores e grandiosidade. Posso deslumbrar um conceito que evoluirá em um personagem que eu mesmo criei para meus livros. Myron, além de agente, é detetive, um eterno esportista, um cara corajoso mesmo em situações de extremo perigo e que não é perfeito, possui suas falhas persas e não esconde isso.

A história começa quando uma, outrora, revelação do tênis chega ao escritório de Myron e pede sua ajuda para descobrir o(a) responsável por um comentário mau intencionado em uma foto publicada no facebook (agrado muito quando nossa realidade prática é inserida no meio literário. Facebook, Twitter, YouTube entre outras redes sociais tornam alguns argumentos mais verossímeis). Inicia-se então uma procura muito bem elaborada e interessada pelo autor da difamação, Myron se mostra não somente um agente, mas também um amigo que é capaz de preservar a palavra que dá às pessoas que está ao seu redor e que lhe são importantes, mas o que se segue, de imediato, são descobertas de segredos há muito não questionados e de intrigas empurradas para debaixo do tapete.

Uma das principais vertentes que conduz todo o livro, independente do caminho que ele segue, é a mentira. Sobre o efeito que ela pode causar e sobre as razões das pessoas insistirem em conta-las. No começo do livro já nos deparamos com a seguinte frase “…a mais terrível verdade ainda é melhor que a mais bela mentira”. A mentira se torna um personagem importantíssimo no contexto do livro, um personagem capaz de levar pessoas a causarem dor, morte ou mesmo ocultar aquilo que “fragilmente” trás paz.

Myron é levado à caça de um passado impossível de ser revivido, se envolve com mafiosos inescrupulosos, com astros de rock reclusos e cheios de segredos condenáveis e descobre verdades familiares que sempre o perturbou e isso é FORMIDÁVEL na construção desse protagonista, pois ele é muito verídico. Harlan Coben não constrói um herói absoluto, ele cria um homem que é consciente de sua humanidade, que faz de tudo para concretizar o que acredita, mas em momento algum passa a imagem de super-homem. Intenso e complexo que impossibilita um livro somente para ele, é perceptível que uma única história seria desperdício. Myron é subjugado (ok que foi de forma covarde), chora e sente dor, mas continua destemido em sua empreitada até o fim. Seja como for e quais forem as últimas consequências.

Alta Tensão é um livro recheado de personagens pragmáticos e que nos fazem admira-los e gostar muito deles (Win e Esperanza são exemplos CLAROS). Tudo é bem amarrado, explicado e muito bem pontuado. Sem dúvida um livro para se ter em uma coleção.

Postado em: Resenhas
Tags: , ,

2 Comentários em “Resenha – Alta Tensão”


claudineia da silva lira em 30.11.2015 às 21:35 Responder

como todos livros que já li de Harlan coben esse é fantástico só fico muito triste por ser o último que tem a história com Myron Bolitar e seu amigo win pois esses dois são d+

Ragner em 01.12.2015 às 10:38 Responder

Esse é um dos melhores mesmo. Já quero um novo com os desdobramentos do que aconteceu nesse livro. Valeu pelo comentário. Abraços.


 

Comentar