Resenha – Fumaça
por Ragner
em 10/02/15

Nota:

Fumaça

 

A 2ª Guerra Mundial é sem dúvida um dos acontecimentos mais assombrosos e terrivelmente infelizes na história da humanidade. Livros e mais livros já foram escritos sobre guerras, já resenhamos aqui O Clube De Boxe De Berlim e O Homem Que Venceu Hitler que versam diretamente acontecimentos da 2ª grande guerra e hoje apresento um pequenino livro infanto-juvenil que também relata sobre os horrores daquela época.

A linguagem é para a garotada, há ilustrações que também proporcionam uma atenção para o público alvo, mas a história é tão pesada quando qualquer outro livro sobre o assunto, mas claro que todo o peso e pensamento ruim é mesmo concebido por quem consegue ler interpretando toda as frases cheias de significado do autor. Um simples livro que explora algo tão forte e que mesmo assim pode ser lido pela criançada. Uma bela obra.

As situações vividas pelo personagem deste livro acontecem durante a Segunda Guerra Mundial: um dos capítulos mais tristes da nossa história, mas que precisa ser contado. Para não ser esquecido e sobretudo repetido!

Fumaça começa com as observações de um garoto, que vai contado sobre o trem com muitos vagões, que não é como o que ia para a praia, que na estação há muita gente com malas, todos em fila, em silêncio, vigiadas por soldados. O texto continua com as pontuações desse mesmo garoto, indicando cada passo dos pais e dele, da divisão que ocorre quando sua mãe e ele vão para uma fileira e o pai fica em outra, o quanto os cachorros latem alto e isso machuca seus ouvidos e sobre a saudade do antigo quarto. As ilustrações decoram intensamente todo o enredo inocentemente descrito pelo personagem. Alguns desenhos elucidam mais do que o texto, pois deixam mais evidente o que uma criança pode não demonstrar no que está discursando.

O frio, a fome, até mesmo o choro ganha uma ótica diferenciada ao ser contada por uma criança. Mas por trás das linhas que vão sendo escritas, a história ganha em emoção e quem tem o mínimo de ciência do que foi tal guerra, é capaz de testemunhar o horror diário daquela época. Cada ato de sobrevivência vai ganhando contornos heróicos e cada dia vivido suporta a dor constante de continuar vivo ou presenciar a inexistência de algum conhecido.

A cada página os desenhos vão se tornando mais indicativos do terror que os campos de concentração eram, os personagens ganham rostos e corpos mais abatidos, fracos, magros e sem qualquer esperança (sim, é possível vislumbrar isso em alguns desenhos). No fim a inocência continua tristemente explorada, com o garoto indo para a casa da chaminé, com cheiro de fumaça, desejando que a mãe não se preocupe quando não o encontrar ao voltar do trabalho, que não brigue com ele. A porta é fechada, escuridão total e os dois únicos amigos se dão as mãos.

Postado em: Resenhas
Tags: , , ,

2 Comentários em “Resenha – Fumaça”


Avatar
Olga Regina LIo Rocha em 26.05.2015 às 17:24 Responder

É sem dúvida uma obra de arte que toda a juventude precisa conhecer e se envolver no mundo da literária.
Os alunos do 5º Ano se interessaram bastante a fazer um convite para a leitura do livro.

Avatar
Ragner em 28.05.2015 às 14:20 Responder

Ótima notícia Olga. Muito bom esse interesse dos alunos e que perpetue tal fato para outros anos também. Abraços.


 

Comentar