Resenha – Gigantes Adormecidos
por Ragner
em 09/08/16

Nota:

127199512_1GG

 

Há um bom tempo que já me proponho ler mais romances que versam sobre ficção científica. Com assuntos que vão desde entendimentos sobre física aplicada até vida em outros planetas. Desde pequeno me interesso por tudo isso, mas acabei seguindo o lado humano das discussões mundanas e a minha metafísica é de cunho filosófico. Em Gigantes Adormecidos tive um passeio bem agradável por uma trama que conseguiu entrelaçar de maneira interessante tudo isso.

Pelo que vi, Gigantes é o início de uma história maior. Outros livros virão e teremos mais pela frente em relação ao que acontece aqui e antecipo que acontece um bocado de coisas interessantes. Temos uma narrativa que passeia por partes que são escritas como diário ou entrevistas, um conteúdo que demonstra um bom domínio do autor sobre física e matemática e também uma construção dos personagens que é deveras envolvente.

A história gira em torno de 4 personagens principais. Tudo envolvendo suas emoções, motivações, condições existenciais e potencialidades para resolver problemas que tem o mundo como palco. Tais pessoas parecem bem indicadas para participar de um projeto ultra-secreto. Temos aqui a Dra. Rose Franklin, a 3ª subtenente Kara Resnik – pilota do exército dos E.U.A., o 4º subtenente Ryan Mitchell – subordinado de Resnik – e o estudante universitário Vincent Couture – um gênio em potencial. Todos eles sendo observados, autorizados e gerenciados por alguém que só aparece para fazer entrevistas, mas que possui um poder absurdo, já que deixa até o secretário da presidência dos E.U.A. falando baixo.

Tudo começa quando Franklin ainda era criança e encontra uma gigantesca mão em uma cratera, nos arredores de casa. Anos depois, , quando já é ph.D em física, ela se torna a responsável por estudar tanto a mão quanto os outros artefatos que vão sendo descobertos. Uma equipe é formada e enquanto as partes de um gigantesco robô vai sendo montada, mais descobertas sobre sua funcionalidade e origem é discutida e redefinida pelos envolvidos no projeto. O que era para ser uma missão norte americana, passa a tomar proporções mundiais e de acordo com que o tempo vai passando e mais partes do robô vão sendo encontradas, em outros países, mais pessoas se envolvem e os responsáveis precisam descobrir rapidamente uma maneira de montar o robô e aprender a como controlá-lo.

O autor constrói uma narrativa bastante interessante e sua maneira de contar a história é bem intrigante. As entrevistas e depoimentos de cada personagem faz com que o leitor possa se identificar ou mesmo torcer pelo que há por vir. Cada detalhe é estruturalmente fundamentado a partir dos relatos dos personagens e tudo isso ainda é segmentado como um romance deve ser. Gostei desse jeito de se criar um enredo e ainda me identifiquei muito com a escrita do autor. Sucesso total.

P.S.: Claro, óbvio e evidente que senti uma vibe que me fez pensar no filme Círculo De Fogo, com seus enormes robôs, mas só pelo maquinário gigante. Não passou disso.

****

Livro enviado pela editora

selo-parceiro_2016-320x230

Postado em: Resenhas
Tags: , ,

2 Comentários em “Resenha – Gigantes Adormecidos”


Avatar
Na Companhia de Livros em 17.12.2016 às 11:16 Responder

Oi, gostei da resenha, mas tenho uma dúvida.
O livro inteiro é escrito como se fossem trechos de um diário ou notícias de jornais? A história flui da mesma maneira?
Obrigado

Abraços
naciadelivros.blogspot.com.br

Avatar
Ragner em 17.12.2016 às 18:35 Responder

Olá. Boa noite!

O livro vai sendo contado como trechos de uma entrevista. Alguns capítulos com perguntas e respostas. E a história fluiu muito bem viu.

Grande abraço.


 

Comentar