Resenha – O Capote
por Patricia
em 17/09/12

Nota:

Escrito em 1842, o Capote é um conto curto e direto de Gogol – escritor russo conhecido por seu humor negro e contos que misturam fantasia com realismo.

O conto é a história de Akaki Akakiévitch – um homem resignando a sua vidinha simples, sem grandes talentos, de personalidade vazia e sem grandes aspirações. Trabalhava para um ministério russo copiando documentos. Morava sozinho, não tinha amigos, era motivo de chacota de seus companheiros de profissão e pobre de dar dó.

Com o frio de Petesburgo, Akaki precisava constantemente remendar seu velho casaco – apelidado de capote. Porém, de tão velho e puído, o capote não poderia ser remendado dessa vez. Com suas economias e se privando de quase tudo (incluindo jantar) Akaki conseguiu juntar o dinheiro necessário para outro capote – lindo e na moda. Motivo de orgulho e congratulações de seus amigos.

Gogol nos apresenta em 50 páginas uma Rússia burocrática, superficial e hipócrita. Tudo isso com um senso de humor ácido (meu preferido) e certeiro. A história dá reviravoltas interessantes e fantasiosas. É um conto rápido para apresentar um autor que muitos consideram o fundador da literatura russa moderna.

Extremamente recomendado. Leia na sala de espera do  médico que foi viajar no feriado e te deixou esperando enquanto o vôo dele estava atrasado. Pelo menos vai manter seu senso de humor vivo – e negro.

Postado em: Resenhas
Tags: , , , ,

7 Comentários em “Resenha – O Capote”


Avatar
antonio branchi em 27.08.2013 às 12:04 Responder

Excluindo os contos de Kafka e que são imbatíveis, esse, “O Capote”, é uma perfeição do “realismo russo. São dois notáveis escritores, F.Kafka e N. Gogol, e a comparação se qualifica no sentido da literatura universal.

Antônio Branchi – Professor de Filosofia

Avatar
Paty em 27.08.2013 às 12:17 Responder

Opa!! Ainda não li nenhum conto de Kafka mas vou correr atrás disso. No momento, estou lendo Carta ao pai. Temos que trazer mais disso para o Poderoso. 🙂

Abraços.

Avatar
Thiago em 27.07.2016 às 17:26 Responder

ATENÇÃO!!! CONTÉM SPOILERS!!!!

Excelente resenha! Adorei o final. O livro fala por si só, mas me interessou um aspecto psicológico nas entrelinhas da obra: uma vida fútil e sem objetivos sendo modificada completamente em razão de uma motivação também fútil (comprar o casaco novo) e logo a seguir de um orgulho fútil (ostentar o casaco), continuando com a parte final – uma raiva ainda fútil (recuperar o casaco depois de morto e vingança). Ganância, Orgulho e Ira são levados ao leitor nessas entrelinhas.

Uma grande obra, sem dúvidas.

Abraços!

Avatar
Patricia em 27.07.2016 às 18:25 Responder

Ótimo comentário. Pena que em 2012 eu não tenha conseguido colocar essa questão em palavras de uma maneira melhor. hahaha Mas sim, vidinhas fúteis e coisas fúteis que parecem virar o centro do mundo resumem muito bem esse conto. 🙂 Obrigada pela visita.

Avatar
angelo em 22.10.2018 às 20:09 Responder

faleu bro me ajudo pacas na tarefa de casa

Avatar
ênio em 19.06.2019 às 10:32 Responder

SPOILER

Sobre o comentário do Thiago, não vejo pelo lado da futilidade, o inverno Russo é muito severo tanto que ele morre de frio, e outra ele não ostentava o casaco de maneira fútil e sim orgulhoso pelo fato de ter conseguido através de muito trabalho.

Avatar
Marcelo Lopes Vieira em 03.12.2019 às 09:47 Responder

Ótimo texto sobre um conto clássico que mudou os rumos da literatura russa.

Pra mim, a excelência desse conto está no contorno das diferenças sociais, na sutil crueldade das relações sociais, tudo desenvolvido como uma brilhante caricatura da sociedade burocrática russa.

Além disso, a forma como Gogol manipula situações bizarras e rompe com a ordem lógica com a mesma naturalidade com que descreve o cotidiano é genial.

Creio que hoje, ainda mais num país tropical como o nosso é difícil captar o significado do capote, mas nele como uma alegoria para o materialismo, símbolo de um status social, que poderia ser seu atual celular, carro ou casa, e que  se transforma uma obsessão quase espiritual na segunda parte da narrativa.

Parabéns pelo texto, mais uma vez!

Também comentei esse conto no meu site, ficaria feliz em saber sua opinião sobre minha análise. Segue o link: https://gavetadebaguncas.com.br/o-capote-de-nikolai-gogol/


 

Comentar