Resenha – O mito da beleza
por Juliana Costa Cunha
em 26/08/19

Nota:

Em 2018 a Editora Rosa dos Tempos lançou uma nova edição do livro O Mito da Beleza, da jornalista e escritora norte-americana Naomi Wolf, doutora em Literatura. A primeira edição do livro remete a 1991. Muitos anos se passaram e o livro, infelizmente, continua atual.

Neste livro a autora nos apresenta seus argumentos sobre O Mito da Beleza e o processo de construção de verdades sobre a beleza feminina. Para isso, nos apresenta o processo histórico de construção deste mito, relacionando a estratégia do alcance da beleza à conquista do sucesso e da felicidade para as mulheres. A autora também nos apresenta as ondas feministas, tendo o livro sido uma referência no contexto da terceira onda feminista, e como o mito também foi se remodelando. Todas as vezes que nós conseguimos nos desgarrar dele, ele se reinventa.

Ao longo da leitura nos deparamos com as várias voltas que o mito dá para nos manter ao seu alcance, em suas garras e nas suas amarras. Há todo um processo de construção do O Mito da Beleza, tendo como panos de fundo a manutenção do patriarcado. Se, nós mulheres, não podemos mais ser controladas pela maternidade, nos “arrumam” o controle por via da eterna busca da beleza.

E esta beleza é uma beleza padrão, adquirida através de muitos gastos e com produtos que não são de fato eficazes. Ou através de cirurgias que, além de seu alto custo, promovem verdadeiras invasões nos corpos femininos. Ao longo de toda minha leitura não consegui desvencilhar meu olhar e atenção para o que o livro estava me trazendo da força do capitalismo nas diversas fases à qual O Mito da Beleza se reinventa.

Naomi nos apresenta em seu livro o mito e a manipulação da imagem; o mito e o trabalho; o mito e seus aspectos culturais e religiosos; o mito e a culpa com a sexualidade e a fome. É um estudo amplo cheio de referências, que nos coloca frente a frente com questões importantíssimas para nós mulheres (mas também para os homens) pensarmos e refletirmos sobre ser mulher e o que nos impõem.

Confesso que em algumas passagens achei a leitura cansativa e repetitiva e achei que poderia ser menor o detalhamento. Mas isto não me fez perder o interesse na leitura.

Ao final do livro Naomi nos instiga à reflexão:

“Nós mulheres somos bonitas ou não? É claro que somos. Mas não acreditamos nisso como precisamos acreditar se não começarmos a dar os primeiros passos fora dos limites do mito da beleza.”

A leitura que fica pra mim de todo este estudo é que o mito da beleza é potente e tem diversas fases, se transforma à medida que nós também nos transformamos. Me parece que ele sempre vai existir. O pulo do gato para nós mulheres é entender que ele não deve nos guiar. É conseguir sair da amarra do padrão de beleza e comportamento. É usar o batonzão vermelho e não deixar que ele nos use!

Postado em: Resenhas
Tags: , ,

Nenhum comentário em “Resenha – O mito da beleza”


 

Comentar