Resenha – O ódio que você semeia
por Juliana Costa Cunha
em 02/12/19

Nota:

Livro que ficou em 1º lugar na Lista do New York Times e que mesmo assim (ou talvez por isso também) não despertou minha atenção para sua leitura. Literatura jovem que há muito deixei de ler e, por isso também, não me despertou o olhar para este livro. Daí que veio o Leia Mulheres Olinda e colocou ele na roda e eu disse a mim mesma que tava na hora de ver qual era. Toda essa introdução para, antes de mais nada, reafirmar que é preciso rever nossos preconceitos, inclusive na literatura. O tema do livro me interessa demais. Porém toda badalação e por ser literatura jovem me fizeram passar longe dele por muito tempo.

Pois bem, não só li o livro como me emocionei deveras com ele. A história de Starr, jovem negra de 16 anos e sua família, que aos 10 vê sua melhor amiga ser assassinada e aos 16 vê a mesma cena se repetir com seu amigo, é comovente e desesperadora.

O livro é um grito às questões de raça e classe nos EUA (e no mundo). Ao preconceito de uma sociedade. Às relações de poder. Ao sofrimento do povo negro em guetos e nos conflitos policiais. As relações inter-raciais. Mas, é também uma ode à luta de raça e classe. À força de uma comunidade unida. Ao amor familiar. Ao sentimento de pertença. Às conquistas diárias pela existência e sobrevivência.

Ao longo de suas 378 páginas seguimos os passos de Starr e seus dilemas de adolescente, somados às suas descobertas sobre preconceito racial. Acompanhamos Starr e seu processo de afirmação como negra e sua apropriação da luta de seu povo. Temos Starr e sua família num profundo elo amoroso e potente, de lugar de fala e de luta. É lindo como sua família, em especial pai e mãe, lhe possibilitam meios e informações necessárias para que ela se encontre em sua negritude e tenha sua própria voz.

A autora, Agie Thomas, escreve uma narrativa dinâmica e até mesmo divertida em algumas passagens para falar de racismo. Mas não sem contextualiza-lo. Não sem trazer elementos que trazem reflexões sobre o porquê das coisas serem do jeito que são. É um livro que questiona o sistema, que aponta o dedo e que não deixa você sair da leitura sem refletir o mínimo sobre as questões abordadas nele.

Postado em: Resenhas
Tags: , ,

Nenhum comentário em “Resenha – O ódio que você semeia”


 

Comentar