Resenha – Para que serve a poesia?
por Juliana Costa Cunha
em 13/01/19

Nota:

Clarice Sabino é carioca, nasceu em 98 e é sobrinha-bisneta (nunca que imaginei essa denominação) de Fernando Sabino. Em 2016, Clarice começou a escrever seus poemas nas redes sociais sob o nome de Nada disso é para você ( no Facebook e no Instagram).

A obra “Para que serve a poesia?” tem uma edição bem bonita elaborada pela Editora Penalux e é o primeiro livro publicado da poetisa. A capa e contra capa são lindíssimas. O livro tem poemas divididos nas  seguintes partes: servir, ser, sou, expiro, arte, você, agora e nada.

E, como as próprias partes divisórias do livro indicam, a autora vai escrevendo sobre vivências que remetem ao encontro consigo mesma. Ou o encontro e desencontro de todas/os nós ao longo de nossas caminhadas.

“Prometo jurar debaixo do santo

em cima da mesa na porta da igreja de mão

na bunda de copo gelado ajoelhada no milho

caminhando até aparecida que é minha vizi-

nha da torre três e mora no quinto andar de

onde dá pra ver o vidoca e seus compostos

não identificados que normalmente boiam de

maneira majestosa o que eu só percebi quan-

do o sol às seis e vinte uma da tarde de uma

quarta feira reluziu em um material translúci-

do que aparecida jurou ser um diamante mas

era só um caco de vidro de uma garrafa de

cerveja vencida que vendem no posto da es-

quina e foi lá mesmo que eu resolvi prometer

de dedinho só jurar com base nas experiências

que eu tenho nas promessas que eu já que-

brei e nas que eu provavelmente devo fugir das

obrigações que agradeço e doa agradecimen-

tos que obrigo e das vantagens que eu ofereço

o que com certeza absoluta

talvez

irei cumprir”

Clarice, como talvez não poderia deixar de ser, tem uma linguagem bem contemporânea. Faz pouco ou nenhum uso da pontuação e suas poesias tem uma estética própria. Na maioria das vezes não segue a diagramação clássica das poesias. Ou será que segue? A da poesia contemporânea, aquela mais literal, rápida, fluída, cotidiana.

“eu não tenho medo do escuro

quando eu fecho os olhos eu sou o escuro

e eu não tenho medo de mim

eu não temo a imensidão

eu sou a imensidão

meus próprios vazios me preenchem

eu sou infinita

na minha falta

e no meu excesso

depende de quem me olha

depende de como me olha

o que seca e o que pinga

o que suja e o que limpa

o que cala e o que grita

o que liberta e o que limita

o que repete e o que imita

o que rima e o que irrita

eu não tenho

medo do escuro

quando eu fecho os olhos

eu sou

o escuro

e eu

não tenho

medo de mim”

Foi uma grata surpresa este livro pra mim. Li numa noite despretensiosa e fui fisgada até a última página.

***

Livro enviado pela editora.

Postado em: Resenhas
Tags: , ,

Nenhum comentário em “Resenha – Para que serve a poesia?”


 

Comentar