Resenha – Último Turno
por Ragner
em 19/06/17

Nota:

Eis que a trilogia iniciada em Mr. Mercedes, continuada em Achados E Perdidos, chega a conclusão com Último Turno; entregando situações e acontecimentos com personagens que ficaram em aberto nos livros anteriores. Alguns spoilers podem acabar surgindo ao longo do texto, por questões óbvias, mas me esforçarei em não estragar as surpresas e deixar a resenha com o ar de suspense que paira nos livros do mestre King (que é um dos autores mais presentes no Poderoso, é só acessar aqui).

Em Último Turno temos o desfecho do que aconteceu com o assassino de Mr. Mercedes e conhecemos mais sobre a Achados e Perdidos. Tudo vai ganhando ares de suspense investigativo (como um romance policial) e tomando forma de sobrenatural (um prato cheio do mestre King), deixando a leitura bastante intensa em algumas páginas. Muito do que vai sendo descrito e apresentado, cria uma curiosidade que é desfrutada páginas a frente (algumas vezes você se pergunta como algo é possível ou se perdeu alguma parte, mas logo depois entende que tudo segue tranquilamente seu rumo e é explicado), e isso está deliciosamente presente nesse livro.

Assim como em Achados e Pedidos, o livro começa exatamente no dia fatídico do massacre no City Center, nos apresentando mais personagens que tiveram suas vidas tragicamente influenciadas pelo atentado orquestrado por Brady Hartsfield. Logo depois, vamos acompanhando a história de um paciente – do quarto 217 – da Clínica de Traumatismo Cerebral do Hospital Lakes Region, que há anos permanece em estado vegetativo e serve de cobaia para experimentos de drogas para o cérebro. O médico responsável é o Dr. Felix Babineau, chefe do departamento de neurologia, que insiste em manter tudo em segredo, já que tais drogas não são oficialmente registradas e o paciente é uma pessoa considerada descartável.

Enquanto o Dr. Babineau faz suas experiências no hospital, o detetive aposentado Bill Hodges, junto de sua ajudante e sócia Holly Gibney (a Achados e Pedidos é uma agência de investigação de sociedade entre os dois), são chamados pelo antigo parceiro de Hodges – Pete – até uma cena de suicídio. No local está o corpo de uma senhora que quase foi morta no massacre (já citado). Bill e Holly insistem em associar fatos entre os dois casos e com o tempo, e outras coincidências, vão descobrindo que pode haver ligação entre esse suicídio e a tragédia ocorrida há 6 anos. Ainda mais quando sua investigação o faz retornar ao Hospital Lakes Region e ao paciente do quarto 217, que conhecemos como Brady Hartsfield.

Último Turno encerra, fantasticamente, uma trilogia que envereda pela literatura policial. Eis aqui uma vertente que adoraria ler mais histórias da mente desse mestre do horror e suspense. Mas enquanto isso ainda não acontece, vamos desfrutando o que já existe, é lançado e também adaptado, já que tanto It quanto o primeiro livro de A Torre Negra, estarão no cinema ainda esse ano. Vida Longa ao King.

***

Livro enviado pela editora

Postado em: Resenhas
Tags: , ,

Nenhum comentário em “Resenha – Último Turno”


 

Comentar