Resenha De Quadrinho – Wáluk
por Ragner
em 03/11/16

Nota:

waluk

 

Depois da constatação de que estava escrevendo algumas resenhas sobre animais (aranhas, tubarões, tigres)…decidi aproveitar a oportunidade e meter as caras nessa HQ que conta a história de um Urso Polar. Não que eu seja um amante inveterado assim dos animais, nunca passou pela minha cabeça fazer veterinária e nem animal de estimação eu tenho (mesmo querendo ainda ter algum), mas tudo foi seguindo uma coincidência interessante e decidi continuar isso em mais outra resenha.

A história se passa na região do Ártico – extremo do hemisfério norte -, onde vivem os ursos polares e alguns povos humanos – os esquimós. O urso Wáluk é o protagonista. Vamos acompanhando sua vida e o começo de seu envolvimento com outros ursos, depois de acordar e descobrir que estava sozinho, sem sua mãe. Wáluk acorda com fome, mas com quase nenhuma disposição para caçar, já que ganhava tudo da mãe.

Pelo caminho encontrou milhares de patos, que chocavam ovos. Os espantou e começou a devorar os ovos que estavam a sua disposição, até ser afugentado por outro urso, maior e mais feroz. Wáluk tenta fugir e é arremessado longe. Apaga. Até que Esquimó aparece – um urso velho, que outrora tinha sido enorme e muito forte – e começa a mexer com ele, passando a língua no “dorminhoco”, para ter certeza de que não estava morto. Wáluk desperta com um susto e depois das apresentações, Esquimó e Wáluk se tornam grandes amigos. Ambos famintos.

Vamos acompanhando as desventuras de Esquimó e Wáluk, vagando pelo Ártico, e descobrindo como eles sobrevivem no deserto gelado. Esquimó vai contando histórias sobre Nanook, os outros ursos, sobre caça e também os humanos. Nanook é considerado o maior e mais poderoso urso, capaz de proteger a todos de todo o mal e o maior inimigo – os humanos.

Enquanto Wáluk fala sobre ter sido abandonado pela mãe, Esquimó conta que todas as mães fazem isso. Enquanto Wáluk se cansa e fica aborrecido por ter que ficar esperando focas aparecerem para agarra-las, Esquimó tenta ensina-lo que todo urso precisa ter paciência e saber quando agir. Até que os dois se deparam com outros ursos juntos em volta de um comboio com alguns turistas. Mas a dupla não permanece com os outros e Esquimó decide continuar vagando com Wáluk, para ensina-lo mais sobre como viver no mais rigoroso inverno e como o mundo por ser um lugar perigoso, mas que ele ainda poderia se tornar um novo Nanook.

Os dois se aproximavam cada vez mais dos humanos, até atingirem uma rodovia e sem perceber, Esquimó cai em uma armadilha. Sozinho e sem saber como agir, Wáluk acaba tendo uma visão de Nanook e decide salvar o amigo junto com os outros ursos, se tornando um (quase) líder. Depois de conseguirem salvar o amigo e fugir, os demais ursos voltam para suas pacatas vidas e a dupla seguiu, juntos por muitos anos, pela Tundra. Wáluk se tornou um grande e poderoso urso e todos o respeitavam como filho de Nanook.

O autor, no começo dessa HQ, conta como se interessou a escrever essa história sobre ursos polares e a vida no Ártico. Tudo se inicia com a pergunta sobre qual é seu animal favorito. Sem saber responder de pronto, o autor conta como conheceu mais sobre o urso polar e como ficou maravilhado com suas qualidades tanto estéticas quanto físicas, e como tudo no animal e fantástico, desde sua força e agilidade, até seu tamanho e beleza. Depois de assistir a alguns documentários, o urso polar passou a ser seu animal preferido.

A arte e argumentação é visivelmente direcionada um público infanto-juvenil, mas é deveras gostosa de se ler e bem bonita. Wáluk é uma HQ com poucas páginas, com uma história curta, mas com um trabalho que pode servir demais como ensinamento para jovens e, também, adultos, sobre sobrevivência, amizade e coragem. A aventura de Wáluk para se tornar um grande urso, respeitado pelos outros, pode ser como a de muitos garotos e garotas que se sentem perdidos, desamparados, mas confiantes de que podem conseguir o que desejam.

Wáluk merece ser lido.

 

Postado em: Quadrinhos
Tags: , , ,

Nenhum comentário em “Resenha De Quadrinho – Wáluk”


 

Comentar