Resenha de Quadrinhos – A Morte Da Família
por Ragner
em 07/11/16

Nota:

41-icg4zqol-_sx326_bo1204203200_

Impressionante!

Como amante inveterado do Batman e suas histórias, não consigo pensar em outra palavra…a não ser “IMPRESSIONANTE”. É o que essa HQ representa como um todo.

Ganhei A Morte Da Família de presente da camarada Patrícia e por um ‘booom’ tempo fiquei apenas admirando. A capa é linda, arte, ilustração, cores, desenhos e argumentação são formidáveis. Tudo aqui nos apresenta uma evolução prática e conceitual de tudo que os quadrinhos representam. Já comentei em uma lista aqui no Poderoso que Greg Capullo se tornou um dos meus desenhistas favoritos e essa Graphic Novel ainda consegue juntar seu trabalho com o de outros artistas (partes da história e suas concatenações temporais são bem determinadas em quadrinhos divididos por ilustradores). E a história…o argumento desenvolvido é fantástico. O Curinga está em seu auge de vilania e psicopatia, com um planejamento destrutivo como nunca vi.

Há mais de um ano o Palhaço Do Crime não aparece (teve seu rosto cortado e a pele arrancada) e do nada, sem maiores explicações ou questões motivacionais ele ressurge, já matando e deixando o Comissário Gordon aterrorizado em plena delegacia. Batman aparece, mas só para ficar intrigado com o ocorrido e logo depois comunicar seus parceiros (aqui podemos ver seus antigos Robins em suas vidas de combatentes do crime, e cada um buscando respostas sobre a volta do Curinga).

Já na Batcaverna, em companhia de Alfred e Damian (seu filho e o atual Robin), os três assistem a um assassinato televisionado cometido pelo Palhaço. Enquanto Gordon e seus homens tentam proteger o prefeito (pois acreditam que seria uma vítima em potencial), Batman vai a caça, mas o Curinga parece estar um passo a frente. Consegue envenenar quase todo os policiais na delegacia, faz o Batman perder tempo na antiga fábrica química onde tudo começou (lugar onde o Curinga se tornou o maníaco que é) e ainda consegue entrar na Mansão Wayne e sequestrar Alfred.

Tudo vai ficando muito estranho e mais assustador do que o normal. Asa Noturna (1º Robin – Dick Grayson), Capuz Vermelho (2º Robin – Jason Todd), Robin Vermelho (3º Robin – Tim Drake), Batgirl (Bárbara Gordon) e Robin (4º Robin – Damian Wayne) começam a fazer perguntas e querer saber como e o porque do Curinga sequestrar Alfred. Bruce Wayne conta uma história do passado (que pode significar um segredo causador de tudo que virá a acontecer), mas assegura que é impossível que seu maior inimigo tenha conhecimento de quem eles sejam. Em meio a dúvidas e revolta, todos decidem ajudar, mas Batman os proíbe e diz que resolverá tudo sozinho. Com seu trabalho de detetive acaba chegando no lugar em que todo seus anos de combate ao crime e à loucura, criou mais delinquentes…no Asilo Arkham. E aqui amigos…aqui a insanidade prevalece (já resenhei outra HQ fantástica sobre o Asilo, que é uma das minhas favoritas).

Mesmo que o Batman seja o herói mais bem preparado entre todos os outros e conheça todos seus inimigos como ninguém…parece que o Curinga retornou mais demente, impiedoso e cheio de truques do que se poderia imaginar. E quando tudo vai encaminhando para o desfecho mais horrível que os mascarados poderiam presenciar…um jantar é montado com todos à mesa, como os rostos enfaixados e com o Cavaleiro Das Trevas à cabeceira, amarrado e completamente fora de ação.

Claro que deixo o gosto de descobrir o final no ar, pois estamos falando do Batman e do Curinga. Um sabe como o outro age…e aqui ambos estão atingindo seus limites. E o que ainda faz o embate entre os dois mais interessante é a “utilização” dos outros vilões no plano do Palhaço. O Curinga está mais mortal do que o de costume e ele acredita que o Batman precisa de um encontro sem precedentes com seus inimigos e Bat-família.

Além de arte e argumento serem maravilhosos, há um trabalho delicioso de referências. Podemos perceber aqui alusões à Piada Mortal (que também já virou animação), tanto por parte do Gordon, da Bárbara e, óbvio, descobrimos sobre a questão levantada na citada HQ: Batman não mata o Curinga.

Postado em: Quadrinhos
Tags: , , , ,

Nenhum comentário em “Resenha de Quadrinhos – A Morte Da Família”


 

Comentar