Resenha de Quadrinhos – A Travessia
por Gabriel
em 13/05/15

Nota:

A Travessia

Infelizmente, é difícil encontrar quadrinhos escritos por mulheres. No mundo tradicional dos comics americanos a tarefa é quase impossível, apesar de alguma melhora (temos o já resenhado e revisitado Ms. Marvel, por exemplo). Mas em circuitos menos tradicionais a presença feminina já aparece em maior proporção, e o Brasil é um desses.

A grande vantagem de estar em editoras menores ou produções independentes é a liberdade de escolha de temas e formatos, e a brasileira Camila Torrano aproveitou bem esse espaço em A Travessia. O primeiro contato com a HQ já impressiona pela qualidade da impressão e da edição, feita em papel de qualidade e com capa também desenhada pela autora. Comprei o meu exemplar no site da Ficticia, estúdio do qual a autora faz parte, e recebi com a obra um belo postal e o seu cartão de ilustradora. Pequenos detalhes que deram um charme adicional à HQ!

Abrindo o livro e indo ao que interessa, encontramos outras belas ilustrações, em um traço que tem estilo próprio apoiado por uma colorização muito bem feita. Camila optou por tons de sépia na primeira parte e tons de preto e branco a partir do momento em que as coisas mudam na história. Essa colorização, combinada a boas escolhas de distribuição e proporção dos quadros usados, faz com que a HQ seja muito agradável de se ler.

O roteiro de A Travessia envolve um casal de irlandeses fugindo de seu país em meio a uma onda de fome no século XIX. Eles embarcam em um Coffin Ship (Navio Caixão, traduzindo literalmente), apelido usado para embarcações que já tinham feito muitas viagens e estavam muito velhos. Um detalhe chama a atenção do leitor logo de entrada: o navio em questão se chama Caronte, simplesmente o nome do barqueiro encarregado por levar as almas dos mortos na mitologia grega.

A história se desenvolve em um clima sombrio reforçado pela colorização escolhida. Aos poucos, acontecimentos misteriosos vão se passando no navio e o casal percebe que pode ter cometido um erro ao embarcar. A chegada de uma tempestade é o toque que faltava para que a viagem se torne um inferno.

A Travessia é uma boa história de terror. Ao estilo de antigos contos que povoavam revistas como Os Contos da Cripta (desculpem a desenterrada, meu pai sempre teve praticamente todos os volumes dessa revista), Camila desenvolveu uma história curta, simples e interessante, que se torna uma obra marcante ao ser combinada com sua arte e a edição primorosa do trabalho. É revigorante ver coisas desse nível sendo feitas por aqui, mesmo sabendo que as dificuldades continuam nesse mercado independente e que são ainda maiores quando falamos de autoras (e de um gênero como o terror, que sempre foi tão estigmatizado). Fiquei curioso para ver o que a autora poderia desenvolver com mais obras, mais tempo para desenvolver um estilo. Parabéns, de qualquer forma.

Postado em: Quadrinhos
Tags: , , ,

Nenhum comentário em “Resenha de Quadrinhos – A Travessia”


 

Comentar