Resenha – A maldição do tigre
por Patricia
em 15/03/13

Nota:

images

A maldição do tigre é o primeiro volume de uma série que já está no quinto volume lá fora >. UPDATE: O quinto livro é só um conto adicional segundo me informou a Fernanda, do Leitora Incomum.) No Brasil, é possível encontrar até o terceiro volume. Esse foi um livro que me chamou a atenção pela capa….sim, eu confesso: esse tigre lindo de olhos azuis com essa capa em relevo da Arqueiro me empolgou.

A história mistura alguns componentes de sucesso já comprovados nas histórias contemporâneas de YA. Temos uma jovem de 17 anos – Kelsey – que se acha sem graça procurando o que fazer com sua vida pacata (seus pais morreram quando ela era mais nova e ela mora com uma família adotiva que a adora). Ela consegue um emprego temporário em um circo que tem como atração principal um lindo tigre branco. Kelsey rapidamente desenvolve uma “amizade” com o tigre chamado Dihren.

Falar muito sobre a história poder ser um tremendo spoiler então vou tentar ao máximo evitar isso. Kelsey aprende que Dihren e seu irmão – Kishan – sofreram uma terrível maldição 300 anos antes – quando Kishan se apaixonou pela esposa prometida a Dihren – e ela é a pessoa indicada para libertá-los. Começa a jornada.

Os elementos da cultura indiana e hindu foram bem implementados na história – sinto que aprendi bastante coisa interessante sobre uma cultura que não está presente no meu dia a dia. A mitologia indiana/hindu também está bem estruturada dando o ritmo e conteúdo para o enredo. Kelsey e Dihren passam por poucas e boas para decifrar o que tem que ser feito para quebrar a maldição e, mesmo quando decifram parte do enigma, descobrem que ainda não conseguirão quebrar 100% da maldição.

E, claro, Kelsey se apaixona por Dihren porque ele é um príncipe indiano e lindo de morrer. Ele tem um palácio e um senso fashion aguçado mas também pode ser muito carinhoso. E ela acredita que é platônico, porque, quem olharia para ela? Por que um homem tãooo lindo não está namorando modelos e etc? É…onde será que já vimos isso antes? Seria…em quase TODOS os livros focados no público feminino ou jovem nos últimos anos desde que Crepúsculo fez sucesso? Aliás, a autora já disse que começou a escrever os livros depois que leu a saga Crepúsculo. Para nossa sorte, Houck é melhor escritora que Meyer e construiu uma história com mais substância, mas pegou alguns “tiques” que Crepúsculo deixou na nossa literatura no que tange desenvolvimento de personagem e/ou relações amorosas.

O que posso dizer é que temos todos os elementos aqui de um livro para jovem: ação, triângulo amoroso, homens lindos, perfeitos e exemplos de masculinidade (e eu juro que a autora usa essa expressão!) e uma jovem que se acha feia mas que na verdade é linda e tem todos os homens a seus pés. Chega a ser cansativo encontrar essa mesma fórmula livro atrás de livro. Desde Harry Potter, não tenho encontrado muitos autores(as) que tenham conseguido colocar  a história acima dessa fórmula batida em um livro para jovens. (Talvez Scott Westerfel em Feios).

Os diálogos “de amor” entre Dihren e Kelsey são extensos e, por vezes, irritantes.  Seria um bom momento para a autora usar o modelo John Green de se criar personagens jovens – eles não precisam ser mimados, infantis e chatinhos. Eles podem, sim, ser adultos e inteligentes. Não que Kelsey ou Dihren sejam mimados, infantis e chatinhos mas certamente agem assim de vez em quando. Nesse sentido, eu diria que ela precisaria ter trabalhado melhor o crescimento desses personagens. Mas como estamos falando de uma série com cinco livros, isso ainda pode acontecer. E já me confirmaram que no segundo livro, teremos mais ação e, possivelmente, mais desenvolvimento dos personagens.

Houck escreve muito bem, suas descrições são bem colocadas e facilitam ao leitor visualizar a cena. No mais, quero ler o próximo livro – O resgate do tigre – porque gostei dos outros elementos da história. Acho que nenhum autor de YA usou mitologia indiana para uma história e isso me intrigou.

Postado em: Resenhas
Tags: , , ,

2 Comentários em “Resenha – A maldição do tigre”


Avatar
Fernanda Souza em 15.03.2013 às 08:13 Responder

Oi Paty, que bom que de alguma forma você da estória, acho que a Collen trabalha muito bem com as lendas indianas nessa série.
O sonho do tigre, não é considerado um quinto livro, mas sim um conto adicional, então oficialmente a série tem 4 livros apenas.
Adorei o novo layout de vocês.

Beijos
http://www.leitoraincomum.com

Avatar
Paty em 15.03.2013 às 08:20 Responder

Oi Fe…eu vi na sua resenha que super adorou o livro. Minhas expectativas para o 2o são grandes (até porque acho que o Kishan vai causar…mas não me conta!) MAs gostei da escrita dela sim e dos elementos que ela colocou..isso é inédito para mim em livros jovens.

E eu não sabia do 5o…super obrigada pela notícia. =)
Bjos.


 

Comentar