Resenha – A Última Dança De Chaplin
por Ragner
em 04/08/15

Nota:

download (1)

 

Podemos denominar esse livro como um romance quase biográfico? Acredito que um bocado. Pelo menos as histórias parecem mesmo possuir alguma veracidade e condizer com a vida desse majestoso artista. Se tudo é inventado ou não, parece que uma parte sim e outra parte um tanto quanto, com requintes de verdade.

Um livro muito gostoso de se ler. Tu pode ler direto ou aos poucos, a história flui muito bem e você pode seguir no ritmo que desejar, tudo fica bem fresco na cabeça, a narrativa é construída de maneira que nos deixa cada vez mais interessados na própria história de Chaplin (trazendo aquela vontade de ler mesmo uma biografia logo em seguida). A vida de Charles Chaplin é mesmo um capítulo a parte da história que merece ser conhecida e “A Última Dança…” sem sombra de dúvidas, favorece demais.

Em uma noite de Natal, um homem de 82 anos tem um encontro com a morte, não que ele esteja morrendo, mas a própria dona morte, em pessoa, resolveu busca-lo, porém, esse senhor não é um homem qualquer, é um sujeito que viveu muito, que usufruiu demais de várias experiências e aprendeu muito na vida e seu contato com a morte não é apenas um encontro certo do fim, ele propõe uma aposta a ela: se a fizesse rir, ela não o levaria e assim aconteceu por mais alguns anos.

6 anos depois, Chaplin escreve uma carta a seu filho mais novo, Christopher James, em uma celebração de seu octogésimo oitavo natal em família. A tal carta é um presente para o filho, um presente que relata toda sua vida, uma aventura de descobertas e aprendizado, um legado. A carta já inicia com a declaração de sua aposta com a morte e com o entendimento e o sentimento de que poderá ser a última vez que veste sua maior fantasia – Carlito – para tentar fazer a morte sorrir.

Chaplin passeia por momentos preciosos de sua vida, seu contato com o circo, com pessoas que o influenciaram a criar personagens e caracterizar sua personalidade cheia de atributos, sua ida para os Estados Unidos, o que teve que fazer para poder se sustentar por anos, o que teve que aprender para poder trabalhar em variadas coisas e como descobriu que seria uma celebridade e que morreria já velho de broncopneumonia, aos 82 anos, mas agora sabemos que a cartomante que leu sua “sorte” errou nesse ponto, Chaplin usou do que mais lhe rendera na vida para continuar te dando vida.

Seu pai foi alcoólatra, sua mãe louca, ele deixou a Inglaterra para tentar vencer nos Estados Unidos, foi de embalsamador, boxeador, tipógrafo e um dos maiores sucessos nas telas do cinema. Chaplin é uma figura icônica para o mundo das artes e para o próprio mundo e esse livro contribui bastante para integrar essa importância.

***

O livro foi enviado pela editora. 

SELO_BLOGSPARCEIROS_2015 (2)

Postado em: Resenhas
Tags: , ,

Nenhum comentário em “Resenha – A Última Dança De Chaplin”


 

Comentar