Resenha – Apenas uma Garotinha: a história de Cássia Eller
por Bruno Lisboa
em 15/05/15

Nota:

3_apenas-uma-garotinha-uma-historia-de-cassia-eller

 

Tempos atrás escrevi sobre o musical Cássia Eller, o musical (atualmente em cartaz no Rio de Janeiro e que junho estará novamente em São Paulo) para o site Scream & Yell e assim iniciei a minha análise:

“Segundo consta em páginas diversas da internet um furacão (ou ciclone tropical) é um fenômeno meteorológico relacionado à formação de intensos ventos tempestuosos capazes de mudar, das mais variadas formas, o mundo como conhecemos. E talvez não haja melhor maneira de descrever a breve vida de Cássia Rejane Eller, uma cantora que nasceu em 1962, começou uma carreira de sucesso em 1990 e despediu-se da vida em 2001.”

Por mais reducionista que seja o trecho acima não há melhor maneira de retratar como fora a passagem avassaladora de Cássia em solo brasileiro. Porém, por mais recomendável que seja a peça a mesma deixa muitas interrogações na mente do espectador sobre a real persona de Eller. Desta feita, na busca por maiores informações sobre a cantora me deparei com umas das melhores biografias lançadas por estas bandas.

Intitulada Apenas uma garotinha: a história de Cássia Eller o trabalho realizado pela dupla Ana Cláudia Landi e Eduardo Belo capta em minúcias as origens da cantora. Diferente da artista de personalidade forte, presença de palco marcante e uma poderosa voz, painel que grande parte das pessoas costumam rotular, a obra ilumina o lado desconhecido de Cássia.

Reunindo um grande apanhado de depoimentos, o livro tem como premissa os últimas dias de vida da cantora que faleceria vitimada por uma parada cardíaca. Na sequência de modo cronológico os autores resgatam a infância de uma menina que cresceu num ambiente feliz junto aos irmãos. A relação conturbada com o pais, a breve carreira no teatro no tempos em que morava em Brasília, sua timidez extrema para com pessoas desconhecidas,  a sua relação com música em suas mais variadas vertentes,  a descoberta de sua sexualidade e a paixão por Maria Eugênia (sua esposa) e seu filho Chicão rendem algumas das melhores passagens do livro.

Relatos sua carreira musical tomam corpo na obra a partir da metade do livro. De maneira gradual é proporcionado ao leitor acompanhar a carreira de Cássia, disco a disco, onde é possível perceber desde suas escolhas acertadas aos erros magistrais (que quase culminaram com o fim de sua trajetória), até a chegada do estrondoso sucesso que fora seu Acústico MTV. Neste entremeio artístico depoimentos de personalidades como Zélia Duncan e Nando Reis (ex-Titãs responsável pela repaginada sonora promovida em Com você meu mundo se tornaria completo) mostram como a personalidade de Cássia se revelava quando estava com pessoas que admirava.

Dotado de uma linguagem simples e delicada, a obra flui com extrema facilidade. Para os admiradores da cantora que almejam conhecê-la mais de perto Apenas uma garotinha: a história de Cássia Eller é largamente recomendável. Este exercício é válido tanto para os adoradores de sua música de outrora como também os recém iniciados que provavelmente tiveram no recém lançado (e ótimo) documentário Cássia de Paulo Henrique Fontenelle como ponto de referência.

Postado em: Resenhas
Tags: , , ,

3 Comentários em “Resenha – Apenas uma Garotinha: a história de Cássia Eller”


Avatar
Marley em 11.08.2015 às 19:15 Responder

Olá,
Gostaria de saber onde encontrar esse livro? Pois olhei em diversos sites e não encontrei.

Avatar
Bruno Lisboa em 12.08.2015 às 14:15 Responder

Olá Marley! Eu encontrei o mesmo usado no Estante Virtual. Olhei hoje e eles tem duas cópias para venda. Abraço!

Avatar
Cristina Santos em 24.10.2015 às 21:07 Responder

Tive uma vontade imensa de ler esse livro depois de assistir o maravilhoso documentário “Cássia”. Após muita procura, finalmente consegui o “Apenas uma Garotinha” e terminei ontem, depois de muito me emocionar com cada página ali escrita.

Gostei muito da sua resenha, resume bem aquilo que a biografia procura passar para o leitor. Parabéns!


 

Comentar