Resenha – Artemis Fowl – Uma Aventura no Ártico
por Ragner
em 09/08/13

Nota:

image

 

Gosto de alguns Y.A., não nego isso, mas não leio de tudo, não necessariamente “provo” de tudo só para ler. Ainda não li Percy Jackson, nem Jogos Vorazes, mas quero muito ter em mãos A Culpa É Das Estrelas. Harry Potter continua sendo minha preferencia entre várias histórias contadas e no seu caso, não somente pela diversão da leitura, mas também pelo enredo e construção fantástica da autora. Já com Artemis Fowl, muito do meu interesse  é ocasionado quase que exclusivamente pelo narrativa despretensiosa do autor e serve muito como uma leitura “passa tempo”, que descontrai bem.

Com a notícia de que o 1º livro vai ser lançado no cinema, procurei o 2º para dar continuação à minha leitura do pequeno prodígio criminoso. Mas é importante deixar claro que o lance criminal de Artemis Fowl se deu somente na 1ª obra. O gênio dessa vez não procura riqueza ou passar a perna em alguém ou um povo específico, mas somente quer ter seu pai, outrora dado como morto, de volta. Mesmo que para isso tenha que juntar forças com os elfos que derrotou um ano antes. Nessa aventura não somos envolvidos pelo genialidade sem limites de Fowl como no livro anterior, dessa vez vamos embarcando na história de um filho querendo salvar o pai e um povo lutando contra inimigos internos e ambas as partes precisam se ajudar para poder vencer quem os enfrenta.

O povo das fadas está em alerta contra uma ameaça que pode estar ligado ao povo da lama (é como os seres fantásticos denominam os humanos) e, como é de se esperar, a principal suspeita cai no jovem Artemis Fowl, o único humano que conseguiu engana-los. Fowl já está 13 anos, de cara nos deparamos com ele em uma discussão com um psicólogo, no colégio em que estuda e durante a conversa vem a tona seu grau de intelectualidade (para um garoto dessa idade) tentando ludibriar seu interlocutor, até recebe a notícia de que seu pai não morreu e que é um refém a espera de resgate. Junto de Butler, seu guarda-costas e único amigo, decide seguir para o norte de Moscow, mas a agente da LEPrecon Holly Short age antes e leva os dois para interrogatório.

Outros seres estão bem presentes nessa história e o inimigo da vez é a Mafia Russa, entre os humanos e os Goblins, entre o povo das fadas. Depois de descobrir que Fowl e seu protetor não estão envolvidos com o tráfico de armas a revolta dos Goblins que preocupa o mundo abaixo da superfície, Holly e o comandante Raiz se juntam a Butler e Fowl para descobrir quem está por trás do plano de dominação do mundo subterrâneo e também resgatar o pai de garoto prodígio.

Essa aventura segue trabalhando bem outros lados existente na personalidade dos personagens. Artemis principalmente vai passando por um amadurecimento que poe a prova o que deveras vem a ser importante para ele e como o contato com os seres sobrenaturais influencia na sua formação.

Vou tentar ler os demais livros e espero que as histórias continuem seguindo essa característica de crescimento, assim como os protagonistas.

 

Postado em: Resenhas
Tags: , ,

Nenhum comentário em “Resenha – Artemis Fowl – Uma Aventura no Ártico”


 

Comentar