Resenha – Carta ao Pai
por Patricia
em 18/09/13

Nota:

carta-ao-pai

Kafka é o grande autor de A metamorfose, O Processo e outros livros aclamados e é considerado até hoje um dos maiores autores do reino da ficção. Carta ao pai, no entanto, é um livro fora da curva. A carta trata essencialmente do relacionamento entre pai e filho – como o nome já avisa. E nessa carta Kafka parece exorcizar (ou tentar) muitos dos demônios que carregou durante sua vida e que atribui à presença do pai.

Seu pai, Hermann, parece ter sido um homem de difícil convívio e teve um impacto forte no filho mais velho. Essa problemática familiar influenciaria Kafka em seus escritos mais famosos (além do questionamento da autoridade, a culpa religiosa, um sistema que parece não funcionar). Tudo isso parece ligado ao Kafka menino.

index

Hermann era empresário e junto com a mãe de Franz, Julie, trabalhavam incessantemente para garantir a prosperidade dos negócios. Como um pai ausente, ele garantia que a casa continuasse funcionando através de governantas. Quando estava em casa, a regra era clara para todos – façam o que o pai manda. Ainda que nem ele mesmo siga o que diz. “Por favor, pai, me entenda bem, esses pormenores teriam sido totalmente insignificantes em si; eles só me oprimiam porque o homem que de maneira tão grandiosa era a medida de todas as coisas não atendia ele mesmo aos mandamentos que me impunha.”

Desde o começo da carta fica claro que o relacionamento entre pai e filho não foi fácil. O pai, nas palavras de Kafka, era uma força opressora intensa. Ele exigia que nenhuma opinião que não a sua fosse ouvida e que os filhos seguissem a conduta que ele acreditava ser a correta causando em Franz uma sensação triste de que o pai não o amava e não o respeitava pois ele discordava de muito do que o pai dizia ou o mandava fazer.

Tudo isso transformou Franz em uma criança introvertida, tímida, temerosa de dar opiniões e mostrar que pensava por si própria. Claramente, a carta foi uma tentativa de exorcizar essa pressão que Kafka parecia continuar sentido por ser algo que ele não era e sabia que, pelos padrões do pai, deveria ser. Esse excesso de frustração levou Kafka a ter três relacionamentos fracassados e a nunca constituir uma família (claro que esse pode ter sido apenas um dos componentes para isso. Mas na carta Kafka parece acreditar que era o principal). A influência de um pai sobre a vida de um menino pode ser decisiva e, infelizmente para Kafka, a de seu pai foi fatal. O autor morreu sozinho internado em um sanatório aos 41 anos.

Em menos de 100 páginas, o autor reavalia decisões e momentos importantes de sua vida e como eles deram certo ou errado baseado no que ele acredita ser algo predisposto dentro dele mesmo. Infelizmente para o pai de Kafka, a última palavra ficou com o filho e hoje todo mundo pode ver e analisar por conta própria a pesada mensagem final que ele deixou e julgar o que ocorria na casa kafkaniana.

O livro é de leitura rápida por ser curto mas de leitura intensa pelo seu conteúdo. Eu imaginava lê-lo em uma tarde mas não consegui. Kafka me arrastou com ele pela sua tristeza provando porque ele é um dos melhores autores do mundo (vamos esquecer gêneros). E ponto. Sem contar o quão impressionante é ver alguém auto-analisar-se da maneira como o autor faz aqui. Terminei o livro imaginando uma pessoa extremanente infeliz ainda que tão inteligente.

Recomendo a leitura das notas no final do livro também. Elas acrescentam um pouco de contexto a algumas passagens que podem ficar soltas se você não conhece tanto da obra do autor ou de sua vida além do que ele conta aqui. Exemplo: “Nota 39: ‘[…]Até mesmo a relação de Kafka com o pai socialmente fundada e o conflito entre os dois é prenhe da situação social da época; depois de os pais ascenderem comercialmente, os filhos passaram a ver nos estudos acadêmicos um futuro mais garantido, uma vez que a situação econômica da classe média judaica piorava, também por conta da propaganda antissemita.'”

A carta nunca chegou a ser enviada.

Postado em: Resenhas
Tags: , ,

1 Comentário em “Resenha – Carta ao Pai”


Avatar
Altadena em 08.11.2013 às 12:16 Responder

Olá. Vocês já conhecem a “Carta ao Filho”, de Sylvio Massa??? É a resposta de Herrmann Kafka para seu filho Franz Kakfa, construída pelo auto, através da redescoberta da personalidade de Franz. A relação com o pai ganha um olhar que ajuda a compreender muito da personalidade de um dos autores mais controversos da literatura moderna. É fascinantemente imperdível!!!
Quem tiver interesse em conhecer melhor o livro ou adquirir um exemplar, pode entrar em contato através do email: [email protected]


 

Comentar