Resenha – Catástrofe – 1914: A Europa vai à guerra
por Gabriel
em 05/07/14

Nota:

Catástrofe

Max Hastings é um conhecido autor inglês, renomado por sua especialidade em grandes guerras. Autor de um livro sobre a Segunda Guerra Mundial, desta vez Hastings analisa o primeiro conflito de larga escala, a Primeira Grande Guerra. Mais especificamente, se debruça sobre o primeiro ano de guerra, 1914.

A Primeira Guerra Mundial se estendeu de 1914 a 1918. Mas seu primeiro ano teve desdobramentos importantes, que influenciaram a sequência da guerra e até mesmo o que aconteceria entre 1939 e 1945. Os acontecimentos que deram início à guerra, suas primeiras batalhas e os caminhos que foram trilhados para que um conflito deste tamanho acontecesse são os assuntos desta obra de Max Hastings.

Publicada no Brasil pela editora Intrínseca, a obra é editada com arte de capa que retrata bem o seu conteúdo; traz detalhes charmosos como suas contracapas (que no começo do livro retratam uma paisagem bucólica e ao final mostram os mortos da guerra) e é recheada de mapas bem elaborados e imagens do conflito e de seus personagens. A edição nos foi fornecida como cortesia por nossa parceria com a editora, e trata com qualidade o conteúdo das suas quase 700 páginas.

Hastings fala sobre o conflito com linguagem de historiador, porém sem se tornar inacessível; o autor domina vastamente o assunto da guerra e seus meandros, sendo capaz de descrever batalhas gigantescas, deslocamentos e detalhes de batalhões sem deixar de se ater ao contexto em que tudo aquilo acontece. Seu grande trunfo para que o livro seja uma leitura agradável é o uso das vidas, lembranças e depoimentos de pessoas reais, meros personagens desimportantes desta grande guerra. Relatos de pessoas comuns são usados para falar sobre qualquer assunto dentro do livro, dando assim um aspecto inesperadamente familiar (e bem vindo) a um livro de História.

A Primeira Guerra Mundial é vista por todos como uma guerra de trincheiras, suja. Porém, seu começo foi marcado pela total inadequação dos métodos usados pelas nações envolvidas. Suas ilusões de grandeza e sua visão romântica da guerra dominaram o primeiro ano do conflito; porém, ao longo da obra, vemos como tudo isso deu lugar ao pragmatismo e a sujeira da guerra de trincheiras, que iniciava seu domínio ao final de 1914.

O autor não hesita em colocar seu ponto de vista, ao falar como cidadão inglês ou ao opinar sobre o papel da Alemanha no conflito. Hastings rejeita uma releitura que tem ganho força nos últimos anos, segundo a qual a Primeira Guerra teria sido uma arbitrariedade dos países aliados e a Alemanha seria apenas mais um personagem. Para o inglês, a Alemanha tem papel muito importante e subestima a capacidade de seus oponentes; se não pede pelo conflito, ela nunca age contra a sua deflagração. São pontos de vista como esses que Hastings utiliza em Catástrofe, sempre bem pontuados por fatos e acontecimentos, devidamente referenciados.

Catástrofe é uma obra de referência que traz o mais recente em termos de conhecimentos sobre a Primeira Guerra Mundial. O primeiro ano de conflito é destrinchado em quase 700 páginas, ilustradas por mapas de batalhas e imagens. Sem dúvida nenhuma, recomendadíssimo a amantes de História, guerras e / ou conhecimento militar. Uma boa leitura também a quem se interessar pelo impacto de um evento como esse nas vidas cotidianas. Porém, espere por muitas páginas e descrições de batalhas. Se passar por elas, terá boas surpresas. Boa leitura!

***

O livro foi enviado pela editora. 

SELO BLOG

Postado em: Resenhas
Tags: , ,

Nenhum comentário em “Resenha – Catástrofe – 1914: A Europa vai à guerra”


 

Comentar