Resenha – Cinco Esquinas
por Ragner
em 03/10/16

Nota:

1587528

 

Eis meu segundo livro do premiado Mario Vargas Llosa (que já passou por aqui com Travessuras Da Menina Má) e assumo que li esse livro muito por querer ler mais obras do autor e por acreditar, em algum momento, que poderia ter algum tipo de ligação com o Travessuras. Llosa é um mestre de contar história. Seus enredos transbordam de ambientação factual, que lida super bem com contextos históricos, personagens ficcionais e acontecimentos críveis. Sua escrita chama a atenção pela atmosfera que cativa o leitor que vai se interessando pelo que está acontecendo página a página ou capítulo a capítulo.

Em Cinco Esquinas, somos lançados a uma Peru que passa por uma época bastante turbulenta. Entre o terrorismo causado pelo Sendero Luminoso, pelo MRTA (Movimento Revolucionário Tupac Amaru) e pela ditadura de Fujimori, onde a vida em sociedade sofria com o medo de ataques e explosões, sequestros, toque de recolher e, além disso tudo, o conflito com uma imprensa marrom que inescrupulosamente se alimentava de orgias e escândalos da elite. Llosa vai contando uma história que desnuda fatos que caracterizaram bem o período com Fujimori no poder que abalou a sociedade peruana na década de 90.

Cinco Esquinas é um tradicional bairro peruano e que serve de cenário para uma história que trabalha chantagem empresarial, desventuras amorosas e terrorismo governamental. O enredo gira em torno de dois casais e outras pessoas que trabalham no meio jornalístico. Chabela é casada com Luciano, Marisa com Enrique. As duas são melhores amigas e depois de uma noite a sós, iniciam um romance bastante libidinoso em segredo. Enrique é um engenheiro poderoso que depois de uma noite regada a muita luxúria, tem sua reputação jogada a lama com a publicação de fotos em um folhetim dedicado ao sensacionalismo.

Com a ajuda do amigo Luciano, que é advogado, tenta enfrentar uma crise que poderia acabar com seu casamento e destruir sua carreira. No olho do furacão temos Rolando Garro, um jornalista inescrupuloso e dono do semanário Revelações, que usa de meios sórdidos para chantagear Enrique. O autor deixa bastante evidente que todo mundo tem seu lado obscuro, vidas em segredo e o quanto tais segredos podem destruir carreiras ou mesmo vidas. Garro possui amigos influentes e desconhece limites quando se trata de chantagear poderosos.

A história passeia por personagens com morais questionáveis e ainda mostra um período político no Peru de extremos (desde uma guerrilha fanática até um Estado repressor e adepto em destruir reputações). A trama é construída envolvendo personagens que poderiam muito bem representar a realidade de uma época, ainda mais vivendo em um período real da história do país. E entre escândalos e intrigas, existem reviravoltas que deixam o livro ainda mais interessante. Llosa consegue desenrolar os fatos de maneira bem verossímil. Um prato cheio para quem gosta desse tipo de literatura.

PS.: Entre Cinco Esquinas e Travessuras Da Menina Má não há ligações. Para deixar claro.

***

Livro enviado pela editora

selo-parceiro_2016-320x230

 

Postado em: Resenhas
Tags: , ,

2 Comentários em “Resenha – Cinco Esquinas”


Avatar
Toshiro Orito em 10.10.2016 às 13:37 Responder

Mais um livro espetacular de Mário Vargas Lhosa.Incrível a sua capacidade de prender o leitor da primeira a última página. Misturando a realidade com a ficção, vai tecendo o enredo em capítulos que vão se entrecruzar num final surpreendente.
Escritor, ensaísta e jornalista sempre atento aos acontecimentos do momento, é merecidamente o Escritor do Século.
Premio Nobel de 2010 mais que justo, para esse talentoso escritor e um homem que vive e interfere com as suas opiniões em influentes jornais, além de ter sido candidato a Presidente do Peru, com objetivo sincero de ajudar a melhorar o seu País, como se vê em seu Livro, Peixe n’Agua.

Ragner
Ragner em 17.10.2016 às 14:26 Responder

Gostei por demais de Travessuras Da Menina Má e já me interessa ler outros livros desse mestre. Vou procurar esse Peixe Na Água. Valeu pelo comentário.


 

Comentar