Resenha – Como a música ficou grátis
por Bruno Lisboa
em 17/11/15

Nota:

81frA701SfL._SL1500_

 

É notória a mudança comportamental das pessoas desde o advento e a popularidade da internet alcançada nos anos 90. De lá para cá o mundo como conhecíamos foi virado de cabeça para baixo com inúmeras mudanças que nos levaram a lugares e situações nunca antes imaginadas. E a indústria da música é a que mais mudou.

Para compreender como se deu toda a mudança neste segmento, Como a música ficou grátis, livro de estréia do jornalista Stephen Witt, funciona como um autêntico guia, um tanto quanto didático, para compreender nossos tempos onde o consumo de música (ou das artes de modo geral) tem reduzido exponencialmente.

Lançada em 2015 pela Intrínseca, a obra cobre os bastidores da revolução que fez com que a audição da música, antes condicionada a aquisição de discos (LP ou CD), migrasse para o inusitado formato gratuito.

Para além do caráter biográfico, a envolvente narrativa flerta com elementos do gênero thriller para retratar a história de três obscuros personagens desconhecidos do grande público, mas que fizeram, de maneira distinta e paralela, com que o mundo das artes virasse de cabeça para baixo. De um lado estava o americano Doug Morris, poderoso executivo da música, que por décadas coordenou a indústria fonográfica. De outro o engenheiro elétrico e matemático Karlheinz Brandenburg desenvolvia na Alemanha o método de compressão de dados que resultaria no mp3.  Já Dell Glover, funcionário de uma fábrica de cds americana, via no vazamento de milhares de discos e na pirataria de álbuns e filmes uma fonte de renda extra.

A narrativa, distribuída em 272 páginas, acompanha todos os movimentos ocorridos,  partindo do início da era do cd, os primórdios da pirataria, a luta árdua (e perdida) contra a mesma até os dias atuais (a chamada era do streaming).  No final dos anos 80 o mercado musical vivia a dura penas devido a baixa vendagem de álbuns, mas o lançamento do formato compact disc fez com o mercado crescesse absurdamente, pois a vendagem de discos atingia números astronômicos mundialmente.

Em paralelo ao auge, na  Alemanha, um centro de pesquisa (a Fraunhofer Society) desenvolvia um método de compressão de dados, tendo como mote  a música. Tal experimento resultou no formato mp3, tecnologia que se popularizaria e seria a desencadeadora do compartilhamento de arquivos gratuito (a partir de sites ou comunidades secretas com a The scene) que mudariam para sempre a maneira de ouvir música e de que como o público lidaria com ela.

Para se aprofundar ainda mais, é altamente recomendável assistir Downloaded, documentário de Alex Winter que retrata em detalhes a história do Napster (site de compartilhamento de arquivos) que sofreu as agruras de ser um dos pioneiros nesta seara e foi eliminado judicialmente pela indústria fonográfica. Em contrapartida o mesmo moldou redes sociais futuras como o Facebook e o Twitter..

Para iniciantes e iniciados, Como a música ficou grátis promove um olhar abrangente, no olho do furacão, do poderio da geração que faz internet instrumento para modificar velhos paradigmas e propor novos olhares e questionamentos.

****

O livro foi enviado pela editora.SELO_BLOGSPARCEIROS_2015 (2)

Postado em: Resenhas
Tags: , ,

Nenhum comentário em “Resenha – Como a música ficou grátis”


 

Comentar