Resenha De Quadrinhos – Beijo No Asfalto
por Ragner
em 13/12/13

Nota:

Capa_da_graphic_novel_O_beijo_no_asfalto

Quando mais novo, gostava de acompanhar alguns episódios de “A Vida Como Ela É”, de Nelson Rodrigues, que passava no Fantástico em meados da década de 90 (mas sua obra é de décadas antes). Eu ainda era um adolescente em fúria e gostava de poder assistir as cenas e conteúdos de certa forma erotizados, mas que mantinham um ar cult e por isso perpetuavam um conceito cultural à atração. O erotizado aqui não tem nada a ver com erotismo pura e simplesmente, mas sempre rolava algumas cenas mais calientes ou com menos pudor, onde as atrizes apareciam em situações sexualmente quase expostas, ou que fazia a imaginação aflorar bem, mas que permitia a permanência de tal atração no horário em questão.

Nelson Rodrigues escrevia crônicas com alto teor sexual, de traição conjugal, de preconceitos, de intrigas familiares, de moralidade, com doses de humor e também com histórias de amor. Não cheguei a ler o que ele escreveu, meu contato com sua obra foi apenas, até hoje, com os episódios de A Vida Como Ela É, mas hoje tive a oportunidade de ler algo diferente. Uma de suas obras mais conhecidas foi publicada em uma Graphic Novel e, como  em todas as crônicas, a história se desenvolve ligeira e com a dimensão já característica de universo do dramaturgo e escritor.

Em Beijo No Asfalto, logo após um acidente na rua, um cidadão pacato presencia uma cena fatídica onde um atropelado sofre moribundo no chão, mas tal cidadão vai até o corpo e o beija na boca, o assunto se espalha como uma chama que consome um combustível altamente inflamável e Arandir (o pacato cidadão) é levado à delegacia prestar esclarecimentos, sendo interrogado se conhecia o morto e o porque de tê-lo beijado. Seu sogro vai até sua casa e conta tudo a família, deixando no ar se Selminha (a esposa) conhecia mesmo seu marido, já que a história do beijo lhe pareceu muito estranha e mal explicada.

Os dias seguintes ficam ainda mais confusos. No trabalho Arandir é motivo de chacota entre os colegas e dentro de casa a esposa e cunhada (que parece sentir algo por ele), se mostram cheias de dúvidas sobre o acontecido e o sogro quem mais se mostra contra Arandir e perturbado com o fato. Mas o que já parece ruim, vai piorando, já que a polícia começa a especular um caso romântico entre o morto e Arandir, acreditando que ele poderia até tê-lo matado e indo até ao velório, expondo à viúva, que o defunto poderia ter tido amante do acusado e deixando a história ainda mais cheia de intriga e conflitos, corrupção, preconceitos e complicações além do que parecia possível e com um final mais do que surpreendente.

Essa HQ é um trabalho sem grandes pretensões gráficas, a arte não é esteticamente bonita, os traços não são tá elaborados, mas passam bem o recado, com momentos de angustia, espanto, raiva, tristeza, empolgação, varias outras formas de emoções. A tragédia representada em quadrinhos, já foi retratada pela 7ª arte e fiquei impressionado com a adaptação fiel. O texto é quase que 100% as falas do filme. Gostei muito disso também.

Postado em: Resenhas
Tags: , , , ,

2 Comentários em “Resenha De Quadrinhos – Beijo No Asfalto”


Avatar
deborah em 17.08.2016 às 08:36 Responder

Não faço resenhas, sempre procuro blogs com boas resenhas dos textos que leio pra postar no meu blog. Adorei seu texto e linkei você lá no meu blog. =)

Ragner
Ragner em 17.08.2016 às 14:43 Responder

Olá. Tudo certo. Espero que goste das outras resenhas também.


 

Comentar