Resenha – Do que é feita uma garota
por Patricia
em 01/02/16

Nota:

Unknown

Caitlin Moran é uma figura já conhecida no cenário musical – desde muito jovem, ela trabalhou como crítica musical em diversas publicações inglesas – das mais desconhecidas às mais famosas. Em 2011, ela lançou o divertido Como ser mulher  em que falava sobre experiências próprias de sexismo em uma obra que ficou conhecida como um novo “manifesto feminista”. Apesar de achar essa designação um pouco exagerada, achei o livro divertido e resolvi ficar de olho em novos trabalhos da autora.

Do que é feita uma garota saiu em 2014. No livro, somos apresentados à família Morrigan – que consiste de um pai alcoólatra que coleta cheques do Governo, uma mãe que oscila entre depressão e irritação e cinco filhos sem muitas perspectivas na vida. Sem fonte de renda estável, a família vê sua sorte piorar ainda mais quando uma vizinha os denuncia ao Governo – depois de ver o patriarca da família – supostamente deficiente – lavando o carro.

A história é apresentada do ponto de vista de Johanna, a única menina da casa e uma jovem que está fora do padrão de beleza da época – o livro se passa no começo dos anos 90 – a década que nos apresentaria mais supermodels do que poderíamos contar nas mãos. Johanna busca na música uma maneira de conquistar alguma coisa. Primeiro, como uma maneira de se aproximar de um grupo de góticos e, finalmente, ter amigos. Quando isso não dá certo, ela descobre que pode ter uma carreira em música como crítica ou jornalista de cultura. Aos 16 anos, ela abandona a escola e decide seguir por esse caminho.

Com temas totalmente ligados à biografia de Moran – a pobreza e a dependência do Estado, a tentativa de usar a música como meio de vida, a não-conformidade aos padrões de beleza – Do que uma garota é feita é uma obra irreverente e recheada de momentos que pode fazer o leitor rir alto. Além disso, é uma viagem divertida ao cenário musical da década de 90 em que grandes bandas underground surgiram e mudaram tudo o que existia antes.

Um romance de formação em seu centro, Do que é feita uma garota coloca Johanna em diversas situações difíceis que exigem amadurecimento rápido e, às vezes, doloroso: a descoberta do sexo, das drogas, dos falsos amigos, das más influências, da dor física auto-inflingida e das consequências de tudo isso. O que vemos é Johanna virar uma jovem mulher responsável por si mesma.

É uma história interessante e com ótimos momentos, mas algumas páginas parecem estar ali para cumprir alguma tabela. Os diálogos de Johanna com ela mesma são cansativos e, às vezes, repetitivos. Apesar de ser compreensível que uma adolescente de 16 anos seja confusa e precise repensar tudo o tempo todo, esse é um ponto passivo. Antes de começar o livro eu já esperava encontrar esse tipo de cena, mas ter que ler e reler cenas assim pode ser uma experiência não tão agradável.

Uma obra mediana recheada de cultura pop e comentários sociais que às vezes acertam na mosca e às vezes erram. No geral, um livro bom para ser seu companheiro porque garante boas risadas.

Postado em: Resenhas
Tags: , ,

Nenhum comentário em “Resenha – Do que é feita uma garota”


 

Comentar