Resenha – Feliz Ano Velho
por Ragner
em 30/07/13

Nota:

FELIZ_ANO_VELHO_1326049489P

Eis um livro que pode receber os elogios de lindo e fantástico. O autor acertou ao contar sua história e ainda se transformar em um gigante de vendas na década 80/90. Marcelo Rubens Paiva já tinha uma vida “conhecida” por ser filho de um político importante, mas foi com esse livro, uma auto-biografia, que sua história passou a ser observada de forma muito mais abrangente e especial. Ele não era mais somente o filho de um ex-deputado federal, mas sim um escritor de respeito, ganhador de um Prêmio Jabuti.

A trama é bem familiar para leitores com mais de 30 anos, mas muitos leitores mais jovens já conhecem bem essa obra também, já que o enredo apresenta contextos inerentes a história da grande maioria da juventude brasileira, com seus amores, aventuras, lutas, desespero, tristeza e paixão. O livro foi lançado em 1982, mas até hoje mantém um contexto livre e rico de uma linguagem capaz de atrair até os leitores menos coloquiais.

Durante uma viagem com amigos, Marcelo dá um mergulho em um lago sem antes constatar sua profundidade e ao se chocar com uma rocha, uma vértebra se quebra e ele se vê afundando, sem poder emergir. Amigos tentam ajudá-lo, mas ao salvá-lo, a situação se agrava, pois danificam mais ainda sua coluna ao retirá-lo da água. Levado diretamente ao hospital, sua vida se transforma radicalmente. O que poderia ser um grande Natal (o acidente ocorreu a  poucos dias da data) ou uma virada de ano festiva, o feliz ano novo se transformou em outra coisa.

Tudo que um jovem de classe média alta poderia fazer no auge da forma física e psicológica, passa por um trauma gigantesco. Mesmo com amigos ao lado e com casos amorosos constantes, tudo mudou e a atividade constante de um rapaz cheio de vida, passa a ser contada por um homem em uma cadeira de rodas, que observa tudo a sua volta com um olhar diferenciado e passou a conviver com todos de uma maneira nada auto-suficiente. Por 12 meses de tratamento, indas e vindas em hospitais, Marcelo vai contando tudo que vai acontecendo.

Vários momentos cômicos e sinceros são detalhados página após página, da mesma forma que experiências sexuais e dramas pessoais. Muitas manias e alguns gostos particulares são trabalhados com uma leveza sem comparações e cada situação, flashback ou não, cativa o leitor. Marcelo não faz o papel do cara que deseja se passar por coitado ou em exemplo a ser seguido, ele apenas escreve o que aconteceu com ele de uma forma espontânea e com um carisma que agrada quem gosta de um bom livro.

O sucesso imediato conduziu a obra literária aos cinemas e um filme estreou em 1987.

Postado em: Resenhas
Tags: , , ,

3 Comentários em “Resenha – Feliz Ano Velho”


Avatar
Fernanda Rezende em 17.06.2014 às 10:40 Responder

Me apaixonei pelo Marcelo, ao ler Feliz Ano Velho!!
É indicação certa quando alguém me pede um bom livro para ler(sim isso acontece com frequencia, pois sou uma viciada em leitura, e não quero rehab!!rs).

Marcelo é apaixonante, direto, cáustico e cômico ao mesmo tempo!!
leitura recomendada para jovens e adultos.

Ragner
Ragner em 17.06.2014 às 13:14 Responder

Adorei o livro também e está com certeza entre minhas indicações literárias.

Parabéns pelo ótimo gosto, kkkk.

Avatar
luana em 02.10.2014 às 17:58 Responder

Ótimo livro,
você se identficia de cara.


 

Comentar