Resenha – O Clube Dos Anjos – Gula
por Ragner
em 17/06/14

Nota:

O-clube-dos-anjos-Luis-Fernando-Veríssimo

A Gula está entre meus pecados capitais realizáveis. Comecei a ler esse livro com gosto de que trem bão estava por vir e tal certeza cresceu pelo fato de ser escrito pelo Veríssimo, que já tinha escrito um livro de crônicas sobre comida: A Mesa Voadora. Detalhe: MUITO BOM.

Como aparentemente o autor é um excelente gourmet, que prefere a comida à mesa do que propriamente prepara-la, senti que tal história seria perfeitamente escrita por ele. Com louvores a culinária e tudo o mais, fui agraciado com um algo a mais. Na verdade com menos enredo gastronômico e mais uma narrativa cheia de detalhes, particularidades envolvendo personagens e situações que envolvem vida e morte. Mas antes que pensem que o livro é algum conto ou romance que possui uma seriedade para o contexto, já digo que o estilo cronista está perfeitamente presente e até mesmo a profundidade que esperamos de uma história do tipo, está gostosamente envolvida nas páginas do melhor livro que li até agora da coleção Plenos Pecados.

 

vinho

 

O recurso de começar um livro com algo que se passa já quase no final, e com a história se desenvolvendo e flashbacks sendo adicionados e depois tudo acontecendo com idas, vindas, passado e presente até tudo ser construído linearmente, pode ser um um recurso fantástico, mas isso depende muito de quem escreve e de como a continuidade é trabalhada. Veríssimo faz isso de forma maravilhosa e com tantos nomes, acontecimentos e detalhes (que vão aparecendo no decorrer dos fatos) o livro vai ficando cada vez melhor.

10 são os amigos e mesmo com brigas, desgostos, mortes e desentendimentos, os encontros acontecem como devem, todo ano, entre os meses de março à dezembro, há 21 anos. Daniel, Samuel, Pedro, Paulo, Saulo, Marcos, Tiago, João, Abel e agora o André (que entrou depois, já que o principal fundador do Clube do Picadinho, Ramos, morreu) se encontram em jantares, onde o anfitrião não necessariamente precisa cozinhar, mas “é responsável pela qualidade do jantar. E pelos vinhos“. São sempre 10. Esposas, namoradas, nenhuma mulher podia participar.

Cada integrante possui uma particularidade. Daniel (o narrador da história), vai introduzindo cada um de uma maneira despojada, diria eu, classificando todos os amigos entre seus defeitos e qualidades. Mas isso ele não conta diretamente para o leitor, ele vai contando para outro personagem, Lucídio, que conheceu em um shopping, tomando café. Daniel inicia a história já justificando a existência de Lucídio, pois foram os únicos sobreviventes de tudo que é relatado e já quer deixar claro que não está inventando nada e que também não é o culpado por tudo.

 

comidas-brasileiras

 

Depois de falar sobre o Clube do Picadinho para Lucídio, de falar para a turma sobre o novo amigo que está curioso em conhecer a todos e de um jantar de reconciliação aclamado, um a um vai morrendo, misteriosamente. Teorias vão sendo formadas, a intensidade de que uma possível morte espreita cada um dos 10 a cada jantar, vai deixando paladar e curiosidade cada vez mais apurada e cada vez mais eles se apegam a uma máxima que o clube nunca deixou de lado: O Clube do Picadinho protegia os seus.

Esse mês no desafio do tigre temos a oportunidade de resenhar livros de autores que mais gostamos. Como no Poderoso a ideia é de escrever sobre literatura brazuca durante a Copa, tal tarefa teve que ser analisada em alguns aspectos por mim. Como um não leitor voraz de literatura nacional, me sinto um pouco órfão de autores brasileiros (erro meu, tenho consciência disso). A priori fiquei na dúvida sobre quem escrever, já que internacionalmente isso seria mais fácil, mesmo existindo mais de um escritor favorito. Após refletir um pouco, colocar a cachola para pensar, decidi escrever sobre Luis Fernando Veríssimo. Gosto demais dos textos e crônicas dele, escreve de uma maneira que me interessa bastante e ainda tenho a oportunidade de resenhar um livro que faz parte da coleção que já vendo resenhando durante esse mês (menos Luxúria, que já tinha sido resenhado pela Patrícia).

 

Desafio

Postado em: Resenhas
Tags: , , ,

4 Comentários em “Resenha – O Clube Dos Anjos – Gula”


Avatar
Fernanda Rezende em 18.06.2014 às 08:36 Responder

Que surpresa boa!!

Abrir o site e me deparar com um dos meus livros favoritos de Veríssimo!!
Um livro realmente bom e a cara do autor, leitura deliciosa pra um fds despreocupado!!

E as gêmeas, são um caso a parte, morro de rir quando elas aparecem.

Ragner
Ragner em 18.06.2014 às 18:05 Responder

Também acho o livro a cara do autor. Muito bom. E as xifópagas lésbicas Zenaide e Zulmira são bem interessantes e legais mesmo, kkkkkk. Mas fica para a curiosidade do leitor.

Avatar
Rafael em 25.06.2014 às 13:58 Responder

Dessa coleção só li o da Luxúria, escrito pelo Ubaldo Ribeiro, que poderia ser do pecado da gula também, de certa forma hahahahahahahahaha

Achei bem legal a ideia desse livro do Veríssimo, vou procurar aqui na biblioteca da cidade 🙂

Abs!

Avatar
Paty em 25.06.2014 às 14:39 Responder

hahahahaha…o Luxúria é incrível! 😀


 

Comentar