Resenha – O clube dos suicidas
por Patricia
em 16/09/13

Nota:

o-clube

Mais um livro da coleção Novelas Imortais (o primeiro foi esse aqui) e eu estou realmente adorando essa coleção. Me empolguei pelo fato de ser apresentada pelo meu adorado Sabino e contar com títulos que, sinceramente, eu não conhecia.

O Clube dos suicidas é de Robert Louis Stevenson e apesar de já conhecer o autor, ainda não conhecia esse título.

O livro nos apresenta um  Clube macabro a la “De olhos bem fechados” (mas com menos pessoas nuas e mais pessoas estranhas). Enquanto estão em um bar conversando o Príncipe Florizei e seu amigo, o Coronel Geraldine encontram um Senhor distribuindo tortinhas de limão de graça para todos os que estavam no local. Tentando entender porque o homem estava fazendo isso, eles o chamam para uma conversa.

Não demora muito e eles descobrem que o homem decidiu que não tem mais motivos para viver e quer morrer. É bem simples, na verdade. Mas quando a conversa se desenrola, o Príncipe e seu amigo notam que tem algo a mais por trás desse papo de se matar. O homem revela, então, que participa de um clube de cavalheiros que tem como foco ajudá-los a se matar (um suicídio assistido, vamos dizer).

Curiosos, o Príncipe e o Coronel dizem que sentem a mesma coisa, o mesmo desespero e querem desapegar da vida também. Eles acabam convencendo o pobre coitado que conta sobre o clube e os leva para conhecer a casa onde os filiados se reúnem. Com uma taxa de inscrição de 40 libras, você pode ser um dos sorteados para ou morrer ou matar. Uma roleta russa.

É interessante pensar nessa época e no quão entediada as pessoas deveriam se sentir. Você não era obrigado a estar sentado X horas por dia na frente do seu computador e herdar dinheiro era motivo de orgulho porque aí você não precisava trabalhar (credo! sarcasmo. puro sarcasmo. Eu mega queria ser herdeira às vezes.). É inevitável que o tédio chegue arrebatando tudo. Por exemplo, um dos frequentadores do clube queria morrer porque ele descobriu Darwin e não conseguia aceitar que era descendente de um macaco. Quer dizer…é ou não é o típico pensamento de quem não tem mais nenhuma preocupação na vida?!

Talvez por eu pensar isso eu tenha sentido um tom de sarcasmo permeando o livro inteiro. Aquela sensação de “você tá brincando comigo?!”.

O livro é dividido em 3 partes com 3 histórias que parecem não ter nenhuma conexão mas que, no fim, mostram seus propósitos. São basicamente três contos sobre um assunto similar. Não é um livro profundo e, essencialmente, pode funcionar como um exemplo de história para ensinar a crianças que curiosidade em excesso não é legal. Todo mundo que que se mete onde não deve nesse livro se dá mal.

Stevenson escreve muito bem mas essa não é, acredito, sua obra prima (ainda sou fã demais de O médico e o monstro). Mas entretém e dá para ler em um dia por ser bem curto. É um  primeiro passo para Sherlock Holmes e as histórias policiais e envolve assassinatos, mistério, realeza, segredos e tudo o mais. A receita completa. Com um pouco mais de sal talvez caísse melhor. Mas é o suficiente para uma tarde fria de tédio.

Postado em: Resenhas
Tags: , , ,

Nenhum comentário em “Resenha – O clube dos suicidas”


 

Comentar