Revisitando – Foe
por Thiago
em 25/07/16

Nota:

81wHeno5JRL

 

Foe é um livro para se ler em uma levada só, caso o leitor esteja familiarizado com a história de Robinson Crusoé de Daniel Defoe. Caso contrário, o impacto certamente não será o mesmo.

resenhado anteriormente no Poderoso pelo Bruno, temos neste livro do premiado autor sul-africano Coetzee algo que sonho um dia fazer: uma história dentro de uma outra história. Sempre em livros e filmes fico imaginando o que não não escrito ou não foi filmado, principalmente sobre personagens de pequenos papéis, como o taverneiro, o garçom, o policial que só aparece pra morrer durante um tiroteio.

Foe é meu primeiro Coetzee, e valeu muito conhecer este autor sul-africano. A obra foi lançada originalmente em 1986, mas só teve sua versão brasileira neste ano pela Companhia das Letras. Segue uma lista de outros livros deste autor pela Companhia das letras: À espera dos bárbaros, Desonra, diário de um ano ruim, Elizabeth Costello, Homem lento, Infância, A infância de Jesus, Juventude, Mecanismos internos, O mestre de Petesburgo, Verão, A vida dos animais, Vida e época de Michael K.

Por mais que tenha lido este livro com muita rapidez não o fiz por ser uma leitura fácil, mas por ser fascinante. O livro é denso, os dramas são pesados, os personagens complexos, há a desconstrução de uma imagem forte de uma história que conheço desde a infância.

Vamos a uma breve sinopse pra ficar mais claro o conteúdo deste livro: A história ocorre através da ótica de Susan Barton, uma mulher que busca sua filha desaparecida. Quando decide voltar de sua missão até seu país (Inglaterra), é deixada a deriva após um motim ocorrido no navio no qual era passageira. Assim, acaba por chegar numa ilha aparentemente não habitada, mas onde estão “Cruso” e Sexta-feira. Muito tempo depois, ao serem resgatados, Barton se vê determinada a ter sua história contada, procura então Foe, um renomado escritor da época.

O livro, mesmo que curto, pode ser dividido em momentos marcantes, a saga de Barton pela sobrevivência e sua luta por ter voz. A relação entre nossa personagem principal e seu escritor é uma metalinguagem incrível. Temos uma história dentro de uma história já existente, que culmina na busca por contar esta história dentro da própria história. Confuso né? Nem tanto, Coetzee faz este exercício de metalinguagem ser agradável e de fácil compreensão, o que mostra o quão bom é o autor e texto.

Recomendo muito este livro, já quero ler mais obras deste autor.

Boa leitura a todos!

jm_coetzee_photo

***

O livro foi enviado pela editora. 

selo-parceiro_2016-320x230

Postado em: Revisitando
Tags: , ,

Nenhum comentário em “Revisitando – Foe”


 

Comentar