Revisitando – Pequenas grandes mentiras
por Bruno Lisboa
em 12/06/17

Nota:

 

Embora tenhamos avançado quando o assunto é a violência contra a mulher à nível mundial ainda precisamos, e muito, melhorar em vários sentidos. Exemplo desta crítica situação são os dados coletados em pesquisa recente (veja a pesquisa) que mostram que o Brasil ocupa 5º lugar quando o assunto é esse tipo de crime. Mas por que iniciar um resenha literária trazendo este tema? Simples: este é o tema central de Pequenas Grandes Mentiras, livro já resenhado por aqui e que recentemente ganhou adaptação no formato série (também já analisado aqui).

Escrito por Liane Moriarty, a obra é ambientada na cidade de Pirriwee, Austrália, e tem como foco a vida de 3 mulheres cujo elo é a violência cometida por parceiros masculinos. Para embasar de maneira fidedigna as agruras de mulheres que já passaram por situações difíceis, a autora confessa nos agradecimentos que buscou inspiração em livros como Not to people like us: Hidden Abuse in Upscale Marriages, de Susan Weitzman, e Surviving domestic violence: voices of woman who broke free, de Elaine Weiss.

Como já dito a narrativa gira em torno de 3 mulheres: Jane, uma mãe solteira, que acaba de chegar à cidade e tem em seu passado velado a origem da paternidade de seu único filho (Ziggy); Por sua vez, Madeline é mãe de três crianças, mas a sua filha mais velha (Abigail) foi criada de maneira solitária por ela devido ao abandono do ex-marido; Já Celeste é mãe de gêmeos (Max e Josh) e devido a pressão do marido violento deixa de lado a carreira de advogada para cuidar dos filhos. A medida em que a narrativa avança, os segredos da vida de cada uma são expostos, dando o ar de cumplicidade para o leitor e isto faz com que a amizade entre as três aumente devido ao fato, também, de seus filhos estudarem na mesma escola.

Para além de discussões pertinentes sobre bullying infantil, feminismo, o papel da mulher na sociedade moderna e o culto a beleza, Moriarty deixa em suspenso, acertadamente, o ápice da obra: um assassinato. A revelação quanto ao mesmo vai sendo entrecortada aos poucos através de depoimentos de personagens secundários dados a polícia e a imprensa ao final de cada capítulo.

Mais que entregar um produto final de bom grado, Moriarty faz de Pequenas Grandes Mentiras um grande painel cuja temática diz muito a respeito a contemporaneidade. Principalmente quando o assunto é a mulher e a condição a qual a sociedade (homens, consideravelmente) lhe impõe diariamente, relegando-a aceitar o que é inaceitável.  Para ler, pensar e agir.

***

Livro enviado pela editora

Postado em: Revisitando
Tags: , ,

Nenhum comentário em “Revisitando – Pequenas grandes mentiras”


 

Comentar