Tag: Lava Jato – A luta continua
por Poderoso
em 22/03/16

 

Olha que coisa mais linda e maravilhosa. Dois dos nossos já postaram a tag literária da Lava Jato na semana passada, mas ainda sobraram dois que resolveram terminar o serviço e emplacar O Poderoso Resumão em totalidade.

Segue a lista que faltava.

Ps.: continuemos com o bom humor, por obséquio.

Bruno Lisboa

1- Dilma – Um livro que é só decepção: Gigantes – Pedro Henrique Neschling. Uma sucessão de clichês sobre a maturidade que terminei de ler a duras penas. Resenha aqui.

2- Lula – Um livro que você ganhou de um amigo: Paris não tem fim – Enrique Vila -Matas. Elogiado livro que ganhei de presente de um amigo há tempos e ainda não o li. Enquanto a delação não vem, o mesmo segue na lista de leituras futuras.

3- Sérgio Moro – Um livro que te prendeu muito rápido: As correções – Jonathan Franzen. Uma senhora obra que diz muito sobre os nossos tempos. Resenha aqui.

4- Panelaço – Um livro que todo mundo gosta mas que você não consegue gostar: 50 tons de cinza – E.L. James. Não costumo ter interesse nestes grandes fenômenos de venda da literatura moderna. 50 tons é um exemplo desta seara. Resenha aqui.

5- Eduardo Cunha – Um livro sobre criminosos:  Como a música ficou grátis – Stephen Witt. Um relato preciso sobre a decadência da indústria da música devido a internet e a pirataria. Resenhado aqui.

6- Foro Privilegiado – Um livro acima do bem e do mal por alguma razão: Clube da luta – Chuck Palahniuk. Polêmico, denso, sujo. Uma autêntica pancada em ode aos tempos modernos onde a violência ganhou status de notoriedade e a vida perdeu o seu devido valor. Resenha aqui. 

7- João Santana – Um livro ruim apesar de toda a propaganda: Crime e Castigo – Fiodor Dostoievski. Sei que é um clássico absoluto, mas tentei ler por duas vezes e o abandonei. O mesmo é descritivo por demais, com períodos longos e cansativos. Um dia retomo.

8- Triplex dos Marinho – Um livro que não tem a atenção que merece: O desfile de páscoa – Richard Yates. Escritor de mão cheia, Yates é celebrado devido ao sucesso de Foi apenas um sonho, mas O desfile de páscoa deveria também colher os louros da fama devido ao belíssimo texto que tem como tema central o feminismo.

9- Aécio Neves – Um livro escrito sob o efeito de drogas: Pé na estrada – Jack Kerouac. Um clássico da literatura beatnik, movimento cultural que retratou fidedignamente a reviravolta social dos anos 50. O mesmo foi composto e imerso em drogas das mais variadas esferas.

10- Delcídio do Amaral – Um livro que abriu caminho para outros livros: Alta Fidelidade – Nick Hornby. O livro que ajudou-me a redescobrir o universo da literatura e fez-me tornar o leitor voraz que sou. Resenha aqui.

11- Japonês da Federal – Um livro presente em vários momentos: O apanhador no campo de centeio – J.D. Salinger. Um dos livros prediletos da casa. Volta e meia retomo-o. Delicioso retrato sobre a adolescência, a rebeldia e a busca pela maturidade. Resenha aqui.

12- Jair Bolsonaro – Um livro que se aproveitou do momento: Amy – Mitch Winehouse. Biografias póstumas, geralmente construídas as pressas, acabam não contemplando em sua essência o homenageado. A de Amy Winehouse cheira a picaretagem, ainda mais pelo fato que foi escrita pelo seu pai, pessoa com que a cantora tinha relação controversa. Preconceitos à parte, a obra também está na lista de leituras futuras.

13- Condução Coercitiva – Um livro que você foi obrigado a ler: São Bernardo – Graciliano Ramos. Na faculdade foi obrigado a ler a obra de Graciliano Ramos. Criei resistência de início, mas acabei por me render tamanha a qualidade do texto.

***

Ragner Morais

1- Dilma – Um livro que é só decepção: Preguiça – Canoas e Marolas – João Gilberto Noll. Creio que tenha sido a intenção do autor, pois esse livro dá mesmo preguiça de ler.

2- Lula – Um livro que você ganhou de um amigo: A Arte De Ter Razão – Arthur Schopenhauer. Ganhei esse livreto de aniversário de um conhecido da minha irmã. Ele soube que eu gostava de filosofia.

3- Sérgio Moro – Um livro que te prendeu muito rápido: Meu Amigo Jesus Cristo – Lars Husum. Eita livro que li quase devorando em uma viagem de trem. Fiquei mesmo empolgado com a história.

4- Panelaço – Um livro que todo mundo gosta mas que você não consegue gostar: O Pequeno Príncipe – Antoine de Saint-Exupéry. Não necessariamente que eu não goste, só não acho tanta graça. Ainda mais com a vibe que insistem em dedicar a ele. É um livro bonitinho, pode tranquilamente ser lido por adultos, mas não sinto ele magistral como defendem por ai.

5- Eduardo Cunha – Um livro sobre criminosos: O Poderoso Chefão – Mario Puzo. Parei na metade do livro, mas por ser sobre a máfia e por ter dado o nome à essa casa, já tem espaço garantido.

6- Foro Privilegiado – Um livro acima do bem e do mal por alguma razão: Shibumi – Trevanian. Sinceramente gostaria de escolher mais de um (dois para ser exato), mas fico com o que ainda hoje mexe com meu psicológico.

7- João Santana – Um livro ruim apesar de toda a propaganda: Quem Mexeu No Meu Queijo – Spencer Johnson. Sinceramente li, gostei de início, mas depois achei mais bobo do que necessariamente útil. Típico livro de auto-ajuda que se serviu em algum momento e depois perde função. Muita propaganda para pouca utilidade.

8- Triplex dos Marinho – Um livro que não tem a atenção que merece: O Livro Dos Cinco Anéis – Musashi. Muitos adoram o livro “A Arte Da Guerra de Sun Tzu” e conheço poucos que já tenham lido ou ouvido falar do livro do Musashi. Li os dois e gostei mais do Cinco Anéis. Ambos sobre estratégia e teoria de combate.

9- Aécio Neves – Um livro escrito sob o efeito de drogas: Pensei e tentei encontrar, mas sinceramente não me veio nenhum livro que se encaixasse aqui. Peço desculpas por essa falta, irei remediar isso o quanto antes.

10- Delcídio do Amaral – Um livro que abriu caminho para outros livrosO Cão Dos Baskervilles – Sir Arthur Conan Doyle. Posso dizer que minha paixão por literatura policial iniciou-se aqui. Li esse pequeno livro numa sentada só e depois disso tal gênero figura entre os meus favoritos.

11- Japonês da Federal – Um livro presente em vários momentos: Bíblia. Pode parecer estranho minha escolha, mas o lance é que a Bíblia é um dos livros (se não o livro) mais vendido no mundo. Há na casa de milhões e milhões de pessoas, então acredito que cabe aqui na lista.

12- Jair Bolsonaro – Um livro que se aproveitou do momento: Código Da Vinci: Dan Brown. Creio que vários livros façam isso. Alguns ganham o devido valor e outros perdem o valor depois de curto período. Minha escolha se deu àquele que aproveitou bem e ajudou o autor a vencer na vida.

13- Condução Coercitiva – Um livro que você foi obrigado a ler: Capitães De Areia – Jorge Amado. Tempos de escola em que muitos eram obrigados a ler aquilo que o professor decidia, mas porém, contudo, todavia, eu gostei desse.

Postado em: Sem categoria

2 Comentários em “Tag: Lava Jato – A luta continua”


Avatar
Gabriel em 23.03.2016 às 09:25 Responder

Que bela tag. Hahaha, parabéns pelas boas respostas pessoal!

Avatar
Ragner em 24.03.2016 às 13:08 Responder

Faltou a tua meu caro, kkkkk.


 

Comentar