Semana De Cinema – Akira
por Ragner
em 25/11/14

Nota:

Akira movie poster

 

Me atrai demais trocentas coisas que vem do Japão e desenhos japoneses são, com absoluta certeza, algumas dessas coisas. Admito que assisto mais as animações que são originadas de quadrinhos e é exatamente o caso do filme que resenho hoje. Ouvi sobre Akira primeiro já em filme e só depois vi que se tratava de uma Graphic Novel bastante conhecida. Mangás são fantásticos e Akira é um show a parte de arte. Comprei o 1º volume das hqs, mas não encontrei as demais e acredito que eu não a tenha mais guardada, uma pena, ainda gostaria de poder ter em minha coleção algo tão bom. Assisti à animação algumas vezes, me recordo muito bem de cenas antológicas, como as perseguições de motos com Kaneda e a batalha ensandecida de Tetsuo.

Akira se passa em um futuro apocalíptico, talvez uma distopia, já que nada de bom e bonito acontece no ano de 2019 (já estamos próximos hein). Neo-Tókio é a cidade retratada aqui e ela foi erguida depois que Tókio foi destruída em uma grande explosão em 1988 (durante a 3ª Guerra Mundial). Gangues do motociclistas vandalizam pela cidade, Kaneda e Tetsuo são dois amigos que percorrem as ruas em suas motos, degladiando com os “palhaços” (gangue rival). Em outro ponto da cidade, manifestações populares confrontam policiais entre destroços e enquanto uma criança com poderes especiais aparece fugindo, militares tentam encontra-la. Durante o racha entre gangues, Tetsuo tromba com a criança e quando seus amigos conseguem alcança-lo, o exército também chega. Todos são algemados e levados para delegacia, mas tanto a criança quanto Tetsuo, inconsciente, seguem com o exército.

Enquanto policiais trabalham para desbaratar grupos anti-governamentais, o exército tenta agrupar crianças com poderes paranormais, mas com a fuga de uma delas e o encontro com Tetsuo, os militares iniciam testes com o motoqueiro. Na delegacia, Kaneda vê uma garota no meio de marginais e arruaceiros e pouco antes de ser liberado com seus amigos, ele diz para o delegado que ela também está no gurpo, mas ainda não sabe que ela – Kei – faz parte de um grupo que quer depor o governo e expor as experiências do exército. Enquanto isso, o Coronel Shikishima é avisado de que Tetsuo possui capacidades especiais que são configuradas como sendo de níveis parecidos com o padrão Akira, um poder gigantesco, capaz de destruir toda a cidade.

Muitas animações orientais são bem conhecidas pelo enredo dramático e cenas pesadas, aqui vislumbramos super explosões, mortes violentas e acidentes impossíveis, tudo ao extremo, o que acaba funcionando muito bem para as animações que intencionam atingir um público adulto. Em Akira vemos Neo-Tókio com escolas depredadas e quase sem leis, um poder político a beira do caos, pesquisas genéticas e paranormais que abusam de questões morais, investidas militares sem quaisquer escrúpulos em suas ações e relações de amizades imperativas que trabalham a lealdade. Akira é um filme que de certo precisa sem visto sem preconceitos, com a consciência de que será atingido em cheio pelas cenas cheias de sangue e explosões e com aquele gosto pela arte oriental do exagero.

 

Postado em: Semana de Cinema
Tags:

1 Comentário em “Semana De Cinema – Akira”


Avatar
Gabriel Cavalcante em 25.11.2014 às 08:48 Responder

Esse é muito bom! O mangá, como quase sempre, é bem melhor… tem mais tempo pra expor a história. Pena que aqui no Brasil só saiu a versão da Editora Globo, que coloriu as páginas e inverteu a escrita na época…


 

Comentar