Semana de cinema – O lugar onde tudo termina
por Patricia
em 26/11/13

Nota:

O-LUGAR-ONDE-TUDO-TERMINA

Apesar de gostar muito dos filmes do Ryan Gosling, comecei a assistir a esse filme sem nenhuma expectativa. Talvez por saber pouco sobre a história e a crítica, achei que seriam duas horas com Ryan Gosling e isso já é mais do que suficiente. 😉

Gosling interpreta Luke, um motociclista que trabalha em um circo itinerante como piloto no globo da morte com outros dois companheiros. Depois de uma apresentação, um ex caso seu – Romina (Eva Mendes) aparece para revê-lo. Luke acaba descobrindo que do breve caso que os dois tiveram, Romina teve um bebê. Apesar de seu estilo de vida errante, Luke vislumbra pela primeira vez ter algo que o prenda a algum lugar. Uma família de verdade.

Só que o mundo real não funciona assim e seu estilo de vida não permite que ele seja o pai e o marido/namorada que ele acha que deve ser. Além disso, Romina tem outra pessoa em sua vida. Isso não impede Luke de tentar. A solução que ele encontra para solucionar os problema é ter dinheiro. E para ter dinheiro rápido tem uma única alternativa: roubar.

o_lugar_onde_tudo_termina_620

Utilizando seus talentos como piloto, Luke e um comparsa começam a roubar bancos. Com um começo promissor, ele consegue se envolver mais na vida do filho e viver, por um breve momento, a vida que imagina.

A história de Luke vai bater de frente com a do policial Avery Cross (Bradley Cooper). Avery está em um momento delicado em seu departamento – tido como um herói graças a uma ação mal explicada, ele acaba sendo envolvido em um ato de corrupção pura por parte de seus parceiros. Aliás, Ray Liotta faz o papel de…choquem!!..um policial corrupto. Oscar na categoria “óbvio do ano”.

Sem saber como lidar com a situação, ele fala com o chefe do departamento que deixa claro que não vai se mexer. Utilizando os contatos de seu pai, que é juiz, ele passa por cima de metade do departamento de polícia local para montar um caso contra seus ex parceiros.

o_lugar_onde_tudo_termina_2

A história dá um salto de 15 anos e veremos os filhos de Luke e Avery descobrirem algo importante sobre o passado de seus pais. Os papéis quase se confundem. Apesar de termos assalto a bancos, fugas, polícia X bandido, esse não é um filme carregado de ação. Tem seus momentos, mas é muito mais focado no lado humano da equação e nas questões pessoais que motivam cada um.

Sobre as atuações, acho que é chover no molhado dizer que Cooper e Gosling estão realmente acima da média. Já Eva Mendes não aparece tanto e me pareceu um pouco forçada – ainda que, dessa vez, não esteja dependendo totalmente de seu visual exótico para criar a personagem. Mas o filme é carregado por Cooper que está imerso no dilema central da história com muita competência – aliás, estou gostando muito das escolhas dele ultimamente. Ele está saindo do mundo “Se beber não case” e mostrando ser muito versátil.

O filme levanta diversas questões que podem ser debatidas à exaustão, mas toca fundo na questão dinheiro X corrupção; justiça X posição social. Tem um componente social interessante aqui mas que não muda o gosto do filme que mantém um tom de poesia na maneira como é conduzido.

Gosling e Cianfrance já trabalharam juntos antes em Namorados para sempre (aliás, um excelente filme – acredito melhor que O lugar onde tudo termina) que rendeu a ambos boas críticas.

O filme é triste mas é bom. E, a melhor parte, está disponível no netflix. 😉

Postado em: Semana de Cinema
Tags:

Nenhum comentário em “Semana de cinema – O lugar onde tudo termina”


 

Comentar