Semana de Cinema – Primeira Trilogia Star Wars
por Thiago
em 28/12/15

Nota:

 

114270578_1GG

 

O  que vou tentar aqui é uma tarefa no mínimo perigosa, falar da primeira parte da trilogia de Guerra nas estrelas.

Vamos por partes e dar uma breve sinopse com data de cada um dos filmes, depois dilaceramos tudo.

Star Wars episódio IV: uma nova esperança (ou simplesmente Guerra nas estrelas):

Lançado em 1977, o primeiro de todos mas o quarto na ordem da história (meio confuso isso né? Quando era criança achava muito estranho isso).

Sinopse: Dezenove anos após a formação do Império, Luke Skywalker se envolve na luta da Aliança Rebelde ao conhecer Obi-Wan Kenobi, que viveu vários anos escondido no planeta desértico Tatooine. O treinamento Jedi de Luke começa, e ele se une a Obi-Wan em uma ousada missão para resgatar a bela princesa Leia, líder da Rebelião, das garras do implacável Império. Após o sacrifício de Obi-Wan em um duelo de sabre de luz contra seu antigo aprendiz Darth Vader, Luke mostra que a Força está com ele ao destruir a temida Estrela da Morte do Império. Retirada do site oficial de Star Wars.

Star Wars V: O império contra ataca (quando eu era pequano me perguntava quem era Taca que o império ia contra). Lançado em 1980

Sinopse: Após a destruição da Estrela da Morte, as forças do Império continuam a perseguir os rebeldes. Depois que a Rebelião é derrotada no planeta gelado Hoth, Luke viaja para o planeta Dagobah a fim de treinar com o Mestre Jedi Yoda, que vive escondido desde a queda da República. Em uma tentativa de converter Luke para o lado sombrio, Darth Vader arma uma cilada para o jovem Skywalker na Cidade das Nuvens de Bespin. Durante um violento duelo de sabres de luz com o Lorde Sith, Luke se depara com a surpreendente revelação de que o diabólico Vader é na verdade seu pai, Anakin Skywalker. Retirada do site oficial de Star Wars.

Star Wars VI: O retorno de Jedi. Lançado em 1983.

Sinopse: Na épica conclusão da saga, o Império se prepara para esmagar a Rebelião com uma Estrela da Morte mais poderosa, enquanto a frota rebelde organiza um ataque maciço à estação espacial. Diante do perverso imperador, Luke Skywalker enfrenta seu pai, Darth Vader, em um decisivo duelo final. No último segundo, Vader faz uma escolha crucial, destruindo o imperador e salvando seu filho. O Império é finalmente derrotado, os Sith são destruídos e Anakin Skywalker se redime. A liberdade é enfim restaurada na galáxia. Retirada do site oficial de Star Wars.

Agora com as sinopses todas apresentadas vamos lá. Não existe nenhum filme que chegue perto da dimensão de Star Wars na cultura pop. Hoje graças a Disney a febre voltou e a força “despertou” novamente, mas a pergunta que quero lançar aqui é: O que fez com que Star Wars no fim da década de 70 e início da década de 80 fosse esse sucesso estrondoso?

starwarstrilogy_0

Se analisarmos a história apenas, encontraremos um roteiro simples mas confuso. George Lucas fez algo grandioso, um universo inteiro. Entretanto depois do primeiro filme nem sabia se ia ter continuidade (por isso só se chamava Guerra nas estrelas, o subtítulo “uma nova esperança foi acrescentado depois, quando o episódio V foi lançado).

A genialidade de Lucas, pra mim é claro, não está  no roteiro, na direção ou nos efeitos especiais avançados pra época. O diferencial está no marketing e merchandising. Lucas criou um universo rentável pra um público variado, uma história que poderia ser explorada comercialmente de diversas formas, mas pra isso ele criou um público com propagandas e mais propagandas. Na época os produtores não botaram fé que o filme ia render tanto e deixaram que Lucas tivesse totais direitos sobre a obra, com o sucesso e a “definição” da palavra blockbuster, o cara montou a LucasFilms e a LucasArts (acho que foi a Fox que cometeu esse vacilo).

Naquela época já tínhamos algumas coisas ligadas a aventuras espaciais que serviram de apoio pra criação de George Lucas, como o romance que virou filme há pouco tempo “John Carter”, num mega fracasso da Disney de bilheterias, mas escrito por Egar Rice Burroughs em 1912, o mesmo autor de Tarzan. Também temos Planeta dos Macacos da década de 60 e claro Flash Gordon, tira de jornal da década de 30. A intenção inicial de Lucas era conseguir os direitos para fazer Flash Gordon, mas não rolou.

Outro ponto interessante foi o adiamento do lançamento do primeiro filme por falta de grana e cinco meses antes da estreia do episódio IV foi lançado o livro Guerra nas estrelas, dando um spoiler na cara do público. Nesse momento era algo meio underground, o sucesso do livro ajudou a criar a expectativa para o filme.

Depois disso tudo Star Wars influenciou tudo, você pode até não gostar ou nunca ter visto os filmes, mas conhece os personagens e até algumas falas. Com a jornada do herói como fio condutor encontramos diversos personagens marcantes. Por ser uma aventura espacial alienígenas variados são facilmente aceitos, não há o problema da descrença de maneira muito forte, ainda mais com uma mitologia Jedi que traz uma questão quase que espiritual para a narrativa (vale ressaltar que existe até uma religião Jedi feita por pessoas que se identificaram profundamente com a proposta).

Junte a isso personagens marcantes com um bom elenco e você terá o vilão mais famoso de todos os tempos, um mestre alienígena que fala tudo trocado, um jovem aprendiz, conspirações políticas, robôs e mais robôs, aliens e mais aliens, um mercenário e seu comparsa peludo e sem fala. Os personagens, mesmo que os secundários colorem o universo o fazendo crível, lembrando que se trata de uma mega fantasia estelar.

Então, um filme que tinha tudo pra dar errado, como o contexto da indústria cinematográfica desfavorável aos filmes de ficção científica, a falta de estúdios para trabalhar com efeitos especiais deste porte (Lucas juntou uma equipe de talento e montou seu próprio estúdio pra isso), um elenco descontente e não acreditando no projeto e na história, problemas com o figurino, problemas com a locação. Talvez você, menino e menina da geração da internet, criado a base do ovomaltine ao ver estes 3 primeiros filmes ache tudo meio sem graça, ria bastante dos figurinos, como as fantasias dos monstros e principalmente do Yoda. Talvez ache a história confusa demais e não entenda o porque do sucesso todo disso. Eu sei que gosto muito dessa história, principalmente destes 3 filmes, o arco novo não me conquistou, o último filme ainda não vi, estou esperando o fuzuê passar e mantendo minhas expectativas lá embaixo.

Que a força esteja com vocês, e como diria Chewie Grrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr.

Lucas-Anthony-Daniels-C-3PO-Wars_LRZIMA20120127_0075_4

 

 

 

Postado em: Semana de Cinema
Tags:

Nenhum comentário em “Semana de Cinema – Primeira Trilogia Star Wars”


 

Comentar