Semana De Cinema – Prometheus
por Ragner
em 23/11/12

Nota:

 

Amo filmes de Ficção Científica, ainda mais quando transcendem a simples intenção de entreter para alcançar a intenção de um propósito à mais. A de refletir, por exemplo
Prometheus chegou às telonas com a premissa de discutir “de onde viemos”, eterno assunto filosófico (pelo menos pelas cenas iniciais) e trabalha isso bem, até um certo momento, pois, depois de alguns minutos, o filme vai se destacando mais como um antecessor de Alien, como foi amplamente divulgado.

O filme é um prelúdio de Alien – O oitavo passageiro, mas não segue somente nessa direção, pois deixa claro o debate sobre a criação do homem. Já no começo, observamos um ser humanoide que se desfaz, após tomar um líquido estranho, fertilizando a terra com seu DNA (parece que nossa existência tem ligação genética direta com extraterrestres). Em cena posterior estamos no futuro, durante uma busca arqueológica que descobre um mapa estelar, possivelmente esclarecendo que civilizações antigas apontavam para um local específico no universo. Os arqueólogos responsáveis – Dra. Elizabeth Shaw e Dr. Charlie Halloway – são enviados à uma procura pelos “Engenheiros” (nossos pretensos criadores), tudo patrocinado pelo bilionário Peter Weyland.

A viagem para uma lua à anos luz é realizada em uma nave chamada “Prometheus” e os doutores não estão sozinhos, outros cientistas e um androide (David, responsável pelo funcionamento da espaçonave enquanto todos estão em um sono-criogênico) são enviados para auxiliar nas pesquisas.

Quando todos acordam, as apresentações são efetivamente feitas e um holograma de Peter Weyland direciona a responsabilidade para o casal de doutores. Ao chegar à lua, uma equipe sai da espaçonave e começa a exploração, como um destino já bem estabelecido, pois eles pousam próximos à elevações que são consideravelmente artificiais, logo, alguém ou alguma coisa é responsável por aquilo. O filme até ai não tem uma ligação íntima com Alien, mas após a descoberta (de David) de recipientes gosmentos, é que a relação começa a fazer sentido.

O suspense começa a tomar conta da tripulação depois que dois cientistas desaparecem e elementos alienígenas começam a matança. A partir dai o filme toma outro rumo. David age de acordo com o que seu criador o programou. Sem qualquer remorso ou sintoma de humanidade, o androide é responsável por uma morte e acorda o Sr Peter Weyland, que estava na espaçonave escondido, com o intuito de ficar frente a frente com um “Engenheiro”, só que tais seres não são NADA amigáveis, como era suposto ser.

Inegavelmente o filme funciona muito bem como segmento de Sci-Fi e como sintoma de nostalgia, mas fica aquele lance de “poderia ser muito melhor”. Para tanto, deveria ter mais tempo, trabalhar mais a questão dos Engenheiros como nossos “criadores” e, CLARO, o fato de ser uma prequência de Alien. Mas isso não estraga o filme, faz com que ele possa ser visualizado como algo diferenciado, pois, se visto somente como referencia ao filme do extraterrestre que sangra ácido, vale DEMAIS ser assistido.

 

Postado em: Semana de Cinema
Tags:

2 Comentários em “Semana De Cinema – Prometheus”


Avatar
Rafael Felipe Gati em 26.11.2012 às 08:57 Responder

Muita gente foi ver este filme apenas por ser declarado como prelúdio de Alien, o que é lógico pensando na quantia de fãs que este filme possui.

Eu posso dizer que não fui com este pensamento, eu já assisti todos os Aliens, mas quando eu era criança e por isso quase não tinha recordação nenhuma dos filmes, apesar de saber que eu gostei deles quando os vi (aqui eu deixo uma nota, preciso rever estes filmes).

Logo, vendo Prometheus de um ponto de vista neutro, como alguém que foi lá para ver Prometheus como um filme independente e não como prelúdio de Alien, eu posso dizer que o filme se mantém, ele consegue entreter quem nem sequer sabia da existência dos outros filmes. É um filme coeso, com alguns pontos falhos e mal explorados, mas que se mantém muito bem, me atrevo a dizer que passa a ser um filme obrigatória para fãs de ficção científica.

Ragner
Ragner em 26.11.2012 às 18:42 Responder

Muito pertinente sua visão, pois Prometheus se mantêm bem MESMO. Concordo contigo.


 

Comentar