Semana De Cinema – Simone de Beauvoir
por Gabriel
em 27/02/15

Nota:

E lá vou eu mais uma vez, atrapalhar a semana de cinema com um documentário que nem na tela grande  passou. Mas prometo que vale a pena. Fora que o vídeo está listado no IMDB, o que deve no mínimo classifica-lo como digno de aparecer nesta semana.

Este é um documentário francês produzido em 2008 para a TV. Nesta versão disponível no Youtube vemos a tradução feita para o português de Portugal e exibida pela RTP, um dos principais canais de TV do país. A obra tem menos de uma hora e vale cada segundo. Embalado pelo projeto de só ler mulheres em 2015, me debrucei sobre um filme que fala de uma das mulheres mais marcantes do século 20.

O documentário não tem brilhantismos na sua execução. Na verdade parece uma produção audiovisual dos anos 90, pela sua simplicidade e pelas escolhas feitas pela produção. A trilha sonora é composta principalmente de toques tristes em um piano e boa parte do filme é ocupada por imagens da França ou dos Estados Unidos. Apesar de interessantes e antigas, essas imagens só constituem pano de fundo e enchimento para os trechos de vídeo que realmente importam: as imagens de Simone e entrevistas.

Simone de Beauvoir é definida geralmente como escritora, filósofa representante do Existencialismo e feminista. Além disso, é geralmente lembrada pelo seu relacionamento com Jean-Paul Sartre, outro filósofo existencialista de grande importância. Neste documentário vemos um pouco de cada uma dessas facetas.

Através de conversas com a filha de Simone e pessoas que viveram junto a ela (a escritora morreu em 1986, portanto ainda há diversos contemporâneos), é recriado um perfil da mulher complexa que foi. Fala-se de suas discussões filosóficas e posicionamento político (tanto ela como Sartre foram muito ativos em determinadas questões, como a guerra da Argélia), de sua atuação no feminismo, de suas inspirações como escritora e de seus relacionamentos.

Beauvoir e Sartre são um casal sobre o qual vale a pena saber mais. Não como modelo, até porque sua relação é única em vários sentidos, mas como estudo de como uma relação humana pode ser. Seu amor é notável e famoso e fica claro nas declarações de todos que os conheceram; ao mesmo tempo, em apenas um vídeo que mostra os dois juntos já é possível perceber o profundo respeito intelectual existente entre ambos. Sua relação foi cultivada com a maior liberdade possível (em um tempo em que o matrimônio era ainda mais sacralizado do que ainda é hoje, e em que as mulheres eram condenadas se almejassem liberdade sexual). E a vida sexual entre os dois se esgotou após um período de tempo, o que não impediu que continuassem companheiros até o fim de suas vidas.

A maneira como Beauvoir se relacionava com Sartre é o pano de fundo de todo o filme. Não como algo que a diminua, pois Simone foi uma pessoa marcante por si só, e os trechos de filme que a mostram deixam isso bem claro; mas porque é uma relação que tem muitos aspectos próprios e marca toda a vida dos dois. As declarações de Beauvoir a respeito de seu principal parceiro são muito bonitas, bem como a sua postura sóbria sobre o relacionamento que vivia. Outros homens que se relacionaram com Simone são mencionados, um deles inclusive participa conversando com a equipe do documentário. E é muito claro o encanto que aquela mulher projetava, baseado num profundo respeito por sua vivacidade e inteligência.

O filme termina com uma reflexão interessante de Beauvoir sobre a passagem do tempo. Ela, que ao contrário de muitos filósofos e escritores viveu sua vida até a velhice e morreu aos 78 anos, encara esta “etapa final” como algo natural mas admira a juventude, não consegue se livrar desse espírito; e termina pontuando como a vida é uma coleção de experiências que no final não são palpáveis. Uma reflexão melancólica que destoa da bela história e da pessoa apaixonante que foi, mas que mostra o quanto Simone nunca deixou de refletir sobre sua própria condição como pessoa e ser humano. Este documentário não é uma obra cinematográfica genial; mas se você tem uma hora para conhecer uma mulher incrível, é bem recomendado.

Postado em: Semana de Cinema
Tags:

Nenhum comentário em “Semana De Cinema – Simone de Beauvoir”


 

Comentar